10/12/2019  07h49
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Elcio Machado
08/03/2015 - 08h05
O Guaruçá e as mulheres, união indissolúvel
 
 

A relação entre nossa oca eletrônica, O Guaruçá, e as mulheres, todas as mulheres, é indissolúvel. Que essa história de amor, como O Poetinha cantou em fiel soneto, não seja imortal, posto que é chama, mas que seja infinita enquanto dure.

Que não somos imortais, nós, pessoas, e nós, a revista, tivemos dura certeza nestes últimos meses. Às vésperas da ceia natalina foi assassinado nosso ex-colunista e colaborador Marcos Guerra, que aqui cresceu e ganhou asas, e criou seu próprio espaço para a publicação de seus duros textos. E, dias atrás, a própria revista se viu ameaçada.

A primeira edição da revista eletrônica O Guaruçá foi há 11 anos, exatamente no Dia da Mulher.  Não foi por acaso: Luiz Roberto Moura, o editor, e seus colaboradores de primeira hora, Sidney Borges (com matéria atualíssima, falava da falta de estradas (de rodagem e de ferro) para o escoamento da produção de soja), o saudoso do Eduardo Souza, o Julinho, já tinham material pronto, mas decidiram aguardar o Oito de Março para publicar.

Não podemos mais falar que O Guaruçá foi publicado ininterruptamente, todos os dias, estes anos todos, porque dias atrás abateu-se um desastre sobre o nosso sirizinho, a ponto do Moura ter perdido as esperanças de recuperar toda a imensa base de dados que ajuda a contar a história de mais de década de Ubatuba. É que a empresa que abrigava o portal simplesmente fechou as portas. Mas, com sua paciência e habilidade técnica, o editor conseguiu ressuscitar todos os textos, na ordem certa e com os links certos.

Dia de festa, portanto, e de cumprimentos, à revista O Guaruçá e às mulheres, todas elas, do mundo todo. Que me perdoem as bonitinhas e novinhas, mas nas mulheres a feiura, a velhice e a ternura são essenciais. Que morram as mulheres, mas que morram muito velhas e com a pele e o rosto feios, mas recendendo a ternura, como minha velha nonna aos 98 anos de idade. E, especialmente, que vivam as mulheres, vivam a plenitude de serem respeitadas num mundo que é cada vez mais delas, mas que ainda conserva o ranço do machismo como tônica.

Quanto ao nosso já maduro sirizinho, não passa de um pré-adolescente. Que também chegue a provecta idade.


Nota do Editor: Elcio Machado (cidadania.e@gmail.com), 60, batizado como Elciobebe, sob as bênçãos e maldições de Cunhambebe, caiçara em construção. Mantém o blog Exercícios de Cidadania (cidadania-e.blogspot.com). Permitida a reprodução, desde que citados a fonte e o endereço eletrônico original.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "GERAL"Índice das publicações sobre "GERAL"
06/12/2019 - 06h32 Uso correto do repelente nas crianças
04/12/2019 - 07h21 Para não estragar as festas de final de ano...
03/12/2019 - 06h18 Dia Internacional da Pessoa com Deficiência
30/11/2019 - 09h16 Os números do chassi do veículo
30/11/2019 - 09h12 Dez passos para uma boa tomada de decisão
26/11/2019 - 06h27 Errar é humano
ÚLTIMAS DA COLUNA "ELCIO MACHADO"Índice da coluna "Elcio Machado"
25/10/2018 - 08h35 Non siamo tutti buona gente
23/12/2015 - 08h02 Um ano desde o assassinato de Guerra em Ubatuba
01/12/2015 - 08h08 Escrafunchando o lagamá de Ubatuba
22/04/2015 - 08h04 Ubatuba não terá Calatrava nem Otake
10/02/2015 - 08h07 Ubatuba: inquérito sobre Guerra não progride
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.