21/11/2018  00h06
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Região
09/11/2018 - 07h09
Acompanhando a cultura no litoral norte paulista
Maria Angélica de Moura Miranda
 

Sou natural de São Sebastião, no Litoral Norte de São Paulo e atuo como jornalista há 32 anos, nesta região.

Durante todos estes anos, acompanhei e escrevi sobre os movimentos culturais, que aconteceram nas quatro cidades da região: Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela.

Já escrevi para o UbaWeb - O portal de Ubatuba um texto com informações sobre a poesia no litoral norte de São Paulo, respeitando a cronologia que tinha dos fatos. 

Em Ubatuba, pude acompanhar toda mobilização dos escritores que a partir de 1968 começaram com o “Festival de Poesias”. Esse evento fez com que os escritores e poetas se organizassem e criassem em 1981 o grupo “Rumos e Rimas”.

O Grupo “Rumos e Rimas”, agitou o ambiente literário e em 1982 instituíram o Concurso de Poesias “Idalina Graça”. No ano seguinte, 1983, inspirados por Ubatuba, foi criado em São Sebastião o Concurso de Poesias “Nhô Bento”.

Aqueles escritores perseveram até hoje na poesia e na literatura, a maioria acabou editando livros. Ubatuba se organizou e foi a primeira cidade do Litoral Norte a criar a sua Fundação Cultural, a Fundart (Fundação de Arte e Cultura), em 1987.

Desde o ano passado, os escritores de Ubatuba e Caraguatatuba estão levando à frente um projeto cultural com eventos na Praia da Mococa, onde a cultura caiçara é apresentada e festejada numa reunião que dura o dia todo, com almoço com pratos típicos e apresentação de danças e poesias.

Esse grupo já criou um canal pelas redes sociais, onde através de um tema, são somados versos sobre determinado assunto, eles se intitulam “Fieira de Timbopeva”, essa fieira que é feita com o cipó, é a maneira mais comum que os caiçaras encontravam para carregar os peixe, o cipó é usado até hoje para o artesanato.

Toda essa movimentação cultural, agora com as redes sociais, fizeram com que grupos fossem formados em defesa do território e da cultura caiçara, eles estão se organizando em associações e tomando a frente em defesa do bem comum.


Nota do Editor: Maria Angélica de Moura Miranda é jornalista, foi Diretora do Jornal "O CANAL" de 1986 à 1996, quando também fazia reportagens para jornais do Vale do Paraíba. Escritora e pesquisadora de literatura do Litoral Norte, realiza desde 1993 o "Encontro Regional de Autores".
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "REGIÃO"Índice das publicações sobre "REGIÃO"
20/11/2018 - 07h02 Repovoamento: Projeto Garoupas ao Mar
19/11/2018 - 07h02 ÀWA Festival Sesc de Cultura Negra 2018
14/11/2018 - 07h38 6º Festival de Música Caipira Inédita de Cunha
13/11/2018 - 07h12 Posto de vacinação contra febre amarela na Tamoios
09/11/2018 - 09h02 Trecho de serra da Tamoios permanece interditado






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.