10/12/2019  19h55
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Economia e Negócios
01/12/2019 - 06h44
5 dicas para sair do endividamento
 
 
Aprenda como organizar as finanças e renegociar dívidas com o banco

Quando os gastos saem do controle e a pessoa se vê com uma bola de neve de dívidas aumentando a cada mês, a preocupação cresce. Segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), no mês de outubro, 64,7% das famílias estavam endividadas no Brasil. Em outubro do ano passado, esse número era de 60,7%. Já o número de inadimplentes (aqueles que estão com contas atrasadas) alcançou 24,9% em outubro deste ano, ante 23,5% do mesmo período de 2018.

“Precisamos falar de educação financeira, isso é o que vai possibilitar uma maior consciência dos gastos e do endividamento, que atinge boa parte das famílias brasileiras, que lutam para manter as contas em dia”, afirma André Calabro, diretor e especialista em Crédito e Cobrança do Banco PAN.

1. Despesas na ponta do lápis ou no app

Planejamento financeiro é o primeiro passo para quem busca colocar as contas em dia. Para fazer isso, é recomendado listar a renda mensal versus todas as despesas variáveis e fixas (como água, energia e aluguel) e as demais dívidas. Ou seja, sugere-se analisar o dinheiro que entra e o quanto é comprometido com contas. Cada um tem uma preferência de como fazer isso. Atualmente, existem diversos aplicativos e sites que auxiliam no controle dos gastos ou até mesmo planilhas digitais. Para perfis mais tradicionais, o bom e velho papel e lápis podem ajudar.

“É comum o consumidor brasileiro não ter um controle à risca do que gasta. Ao organizar todas as despesas é possível decidir o que pode ser cortado, reduzido ou renegociado”, explica Calabro.

2. Qual dívida pagar primeiro

Depois de fazer todos os cálculos, o próximo passo é escolher quais contas deverão ser priorizadas e, aqui, a dica é dar preferência para aquelas que possuem taxas de juros mais altas - como o cheque especial e cartão de crédito.

3. Renegociar dívidas

Com a queda da taxa básica de juros (a Selic) no menor patamar da história, os consumidores podem recorrer à renegociação de dívidas e até mesmo dos juros previstos em contrato. Alguns bancos, como o PAN, possuem uma plataforma online para seus clientes renegociarem suas dívidas.

“Leia o contrato e defina uma proposta para levar ao banco, de modo que a negociação chegue ao valor que você realmente consiga pagar”, recomenda.

4. Aproveitar feirões de renegociação

Frequentemente bancos e outras instituições realizam feirões de renegociação, que são ótimas oportunidades para os endividados que buscam condições especiais.

5. Evitar o atraso de pagamento

Para quem pretende fugir do ‘nome sujo’, é primordial manter o planejamento financeiro em dia. Depois de renegociar as dívidas, mantenha o foco nas finanças, assim você não perderá o controle novamente.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "ECONOMIA E NEGÓCIOS"Índice das publicações sobre "ECONOMIA E NEGÓCIOS"
30/11/2019 - 09h14 Finanças de final de ano
23/11/2019 - 09h26 Como contratar estagiários?
20/11/2019 - 06h36 Qual o papel do agente de integração?
19/11/2019 - 06h10 É hora da Black Friday: dicas para sua empresa
15/11/2019 - 07h52 Qual é o próximo passo da Transformação Digital?
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.