05/08/2020  07h12
· Guia 2020     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Direito e Justiça
30/07/2020 - 07h17
Divórcio liminar
Tania Brunelli de Oliveira
 

Em meio a tantas notícias e informações uma chamou a atenção no mundo jurídico nos últimos dias: a possibilidade do divórcio sem a ciência da parte contrária.

Com o passar dos anos houve a facilitação do divórcio, não há mais a necessidade de prazo mínimo para seu requerimento, a não obrigação da prévia separação judicial, e agora atualmente basta a vontade de um dos cônjuges como único elemento exigível para a decretação do divórcio.

Assim, a partir da EC 66/2010 o divórcio no nosso país passou a ser reconhecido como um direito potestativo incondicionado e extintivo das partes.

Esse seria o chamado divórcio unilateral liminar, levando em consideração que uma das mudanças trazidas pelo CPC é o chamado julgamento antecipado parcial do mérito (art. 356, I e II), o que temos aqui é a faculdade do Juiz decidir parcialmente o mérito quando um ou mais pedidos formulados, mostram-se incontroversos. Isso é em decorrência da desnecessidade de produção de outras provas.

O Código também prevê a possibilidade de antecipação dos efeitos da tutela quando “a petição inicial for instruída com prova documental suficiente dos fatos constitutivos do direito do autor, a que o réu não oponha prova capaz de gerar dúvida razoável”, nos termos do artigo 311, IV, do CPC.

Vale trazer à tona a decisão da 3ª Vara da Família de Joinville/SC que deferiu pedido de tutela antecipada para decretar o divórcio do casal antes mesmo da citação do réu, por não haver necessidade de prova ou condição, tampouco de contraditório, sendo que bastou a vontade de um dos cônjuges como elemento exigível para a decretação do divórcio.

Na mesma decisão a magistrada determinou a expedição de mandado de averbação no registro civil de casamento, em que deverá constar a opção de nome e que a partilha de bens segue pendente.

É evidente que não tenho a pretensão de esgotar o tema sobre esta modalidade de divórcio, mas somente fomentar discussão tão relevante para todos aqueles que tem o desejo de ver dissolvido o matrimônio com a máxima rapidez.


Nota do Editor: Tania Brunelli de Oliveira, OAB/SC 30.414, advogada responsável pela área de direito das famílias da Equipe Giovani Duarte Oliveira Advogados Associados.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "DIREITO E JUSTIÇA"Índice das publicações sobre "DIREITO E JUSTIÇA"
28/07/2020 - 06h52 Presos de SP já podem receber visitas virtuais
26/07/2020 - 07h51 As leis que fazem o brasileiro enxergar mal
25/07/2020 - 07h20 9 mitos e verdades no Direito de Família
14/07/2020 - 07h22 Foi negativado? Saiba quais são seus direito
04/07/2020 - 07h17 Fui demitido durante a pandemia
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2020, UbaWeb. Direitos Reservados.