27/05/2022  21h28
· Guia 2022     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Educação
23/01/2022 - 05h24
Futuro da educação
 
 
Democratização da tecnologia e novos formatos desafiam volta às aulas na pandemia. Ensino híbrido e crescente customização da aprendizagem apontam para principais tendências da educação em 2022

Cinco horas ou mais na escola todo dia, grade curricular engessada, provas em papel, apostilas, lousa e carteiras enfileiradas. Esse modelo de educação até funciona, mas não é de hoje que vem sendo questionado. Com a pandemia, as inovações no âmbito educacional tiveram que ser implantadas de modo acelerado e a tecnologia passou a ser indispensável, impondo muitos desafios para profissionais da educação e estudantes. Mesmo assim, a continuidade do ensino híbrido e a crescente customização da aprendizagem apontam para algumas das principais tendências para o futuro do ensino. Desenvolver habilidades cognitivas mais complexas, colocar o aluno como protagonista e democratizar a tecnologia são algumas das expectativas da educação para o ano de 2022.

A pandemia apresentou e acelerou o ensino híbrido em todas as instituições de ensino do país. E, quando alunos e professores puderam retornar às salas de aula, o uso da tecnologia tem sido revolucionário, especialmente porque tornou o ensino mais personalizado, flexível, motivador e, também, mais inclusivo. Uma pesquisa da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), publicada em agosto de 2021, apontou que 55% dos alunos preferiam a volta das aulas de forma híbrida. São estudantes que viram no estudo remoto uma alternativa durante a pandemia e fizeram com que a busca por cursos nessa modalidade aumentasse 50% no Brasil. Tendência constatada pelo Censo da Educação à Distância, feito pela Associação Brasileira de Educação à Distância (ABED) e publicado em junho de 2021.

Além de escolas e universidades, a educação digital foi procurada por profissionais de várias áreas e ganhou importância com iniciativas de capacitação. Como o projeto Trilha Digital que, ao longo de 2021, alcançou 22 mil pessoas com palestras sobre carreira, tecnologia e sustentabilidade. O projeto vem se expandindo desde 2020, com a necessidade da adaptação das aulas para o modelo EAD, chegando a um número maior de pessoas que buscam atualização profissional. Realizada desde 2019, a iniciativa é do Instituto das Cidades Inteligentes - ICI (www.ici.curitiba.org.br), em parceria com a Associação dos Deficientes Físicos do Paraná (ADFP).

A educação do futuro não depende de dispositivos sofisticados, projetos caros ou sala de aula completamente virtual. Mas o uso de ferramentas tecnológicas que contribuam para a convergência entre o físico e o digital é fundamental para garantir o bom aproveitamento das aulas daqui em diante. É o que mostra o Relatório Tendências para a Educação 2022, elaborado pela Layers Education, com apoio do Educbank. "A tecnologia ajuda muito, não como fim em si mesma, mas como ferramenta para estimular investigação, colaboração e produção de conhecimentos, e ainda, para engajar e motivar o aprendizado, não só dentro da escola, mas também para exercer a cidadania", afirma o diretor de Sistemas e Inovação do ICI, Mauricio Pimentel.

Inclusão digital na educação

Mas o que deveria ser apenas solução, também se tornou obstáculo para estudantes brasileiros nos momentos mais críticos da pandemia. As dificuldades de acesso à internet e, até mesmo, a falta de recursos aparecem como as maiores barreiras para as aulas remotas, segundo pesquisa da startup de educação Descomplica e do Instituto Locomotiva. O levantamento divulgado em outubro de 2021 mostra que 80% das famílias relataram problemas de infraestrutura, outros 54% esbarraram em barreiras socioemocionais e 16% enfrentaram questões de letramento digital. A falta de acesso à tecnologia na pandemia provocou a evasão escolar. Apenas em 2020, o número de crianças e adolescentes fora das escolas no Brasil subiu de 1,1 milhão em 2019 para mais de 5 milhões, segundo estudo realizado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Nesse cenário, é cada vez mais importante pensar em formas de transpor barreiras e diminuir a desigualdade. Levantamento feito com 27 mil escolas públicas brasileiras apontou que apenas 5.425 delas têm a velocidade de internet adequada. O estudo foi feito pela Fundação Lemann, que usou dados do Censo Escolar 2020 e um medidor de velocidade, o Simet. "É preciso ver a inclusão digital como prioridade nas cidades inteligentes. A verdadeira disrupção é quando conseguimos democratizar uma tecnologia que até então era centralizada. Antes de pensar se o aluno vai ficar em casa ou na escola, ou em ambos, é necessário pensar na rede de apoio. Dar acesso a tecnologias é fundamental para colocar os estudantes no caminho das oportunidades e, inclusive, preparar os jovens para um mercado de trabalho que sequer existe ainda", declara Pimentel.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "EDUCAÇÃO"Índice das publicações sobre "EDUCAÇÃO"
26/05/2022 - 06h13 Estudantes criam `Nação dos sonhos´
19/05/2022 - 06h19 Calendário do Vestibular das Fatecs - 2º semestre
18/05/2022 - 06h41 Inscrições para o Enem 2022 terminam no sábado
10/05/2022 - 06h40 Você precisa gastar dinheiro!
02/05/2022 - 06h44 Profissão: influencer
21/04/2022 - 06h11 Ensino de inglês na Educação Infantil
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2022, UbaWeb. Direitos Reservados.