18/05/2021  01h07
· Guia 2021     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
10/05/2018 - 05h14
Uma sugestão para o desemprego
Rosalvi Monteagudo
 
Geração de trabalho e a economia solidária: novas regras

A recuperação lenta da economia tem prejudicado a geração de trabalho, 13,1% de desempregado no primeiro trimestre. O fraco desempenho da indústria, comércio e serviços prejudicam a geração de empregos que está condicionada ao desempenho do PIB, da dependência da confiança dos empresários, dos investidores e dos consumidores.

É preciso mudar a visão dessa dependência no capital em países que nem os tem, ou seja, subdesenvolvidos ou submergentes que sob o controle do capital prejudicam a geração de empregos. O problema é que estão gerindo como um empreendimento comercial, pois se adaptam a um modelo de administração de empresa tradicional com fins lucrativos.

A economia solidária traz alguns aspectos modernos pela tecnologia da informação e comunicação que conduz a uma efetiva mudança do social ao capital no sentido de satisfazer as necessidades humanas. A economia solidária não está somente designada para os segmentos de uma parte pobre da sociedade, pois os excluídos são as prioridades estratégicas.

No moderno cooperativismo, revisto, a empresa é organizada por um conjunto de operações socioeconômicas que administram democraticamente a sua execução. A ação de gerir nessa terceira revolução industrial e tecnológica deve ser programável, organizando-se através do levantamento das necessidades, interesses e reivindicações e quantificando-as para uma solução visível. Dessa maneira estabelece a base para a autonomia administrativa, autonomia social e autonomia financeira, em seu funcionamento de forma democrática.

Atualmente as empresas estão passando por fortes mudanças como meio de resolver o problema social de geração de trabalho, tanto as pequenas e medias empresas como as empresas virtuais. Os modernos meios tecnológicos têm despertado de forma pratica a criação de novas empresas, porém organizam-se de cima para baixo e a compartilha fica nas mãos de poucos. Apesar de buscar criar uma nova situação, as bases para o comércio eletrônico são as oportunidades de negócios e de marketing interativo.

Para implementar a economia solidária criam-se as regras aos princípios cooperativista, através de uma empresa virtual que busca a autonomia econômico-financeira pela organização do capital em cooperação econômica. A moderna empresa tem a função social: gerar trabalho, serviços e produtos.

Na economia solidária o governo passa a ser parceiro, pois atualmente precisa do social para gerar trabalho e fixar o homem na terra. Acaba com o paternalismo e o intervencionismo pois passa a ser parceiro da sociedade para organizar o social, gerar trabalho e distribuir renda.


Nota do Editor: Rosalvi Maria Teófilo Monteagudo, escritora, formada pela USP e com pós-graduação em informática e cooperativismo, fomenta reflexão sobre a economia solidária, novas regras.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
17/05/2021 - 06h29 Separar corruptos e honestos
16/05/2021 - 06h22 A computação na nuvem e impactos no meio ambiente
15/05/2021 - 06h13 O carro elétrico e a Petrobras
14/05/2021 - 06h10 Façamos o contrário da revolução
13/05/2021 - 05h15 As exigências da vida depois da pandemia
12/05/2021 - 06h18 Nhô Tiba e seu almanaque
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2021, UbaWeb. Direitos Reservados.