08/12/2021  23h00
· Guia 2021     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
19/10/2021 - 05h14
Xodó de Minas
Rosa Alves
 

Mandioca, aipim, macaxeira, uaipi, maniva, nativa em nosso país, muito apreciada pelos índios, conquistou o paladar também das pessoas escravizadas em séculos passados. Passaram a comê-la cozida e a partir daí, criaram-se novos alimentos e ingredientes, postos às mesas desse continente que é o Brasil.

Tenho na lembrança, o polvilho tão mimoso, tão delicado, espalhado no jirau de nossa casa, no interior de Minas. Há poucos dias, soube que essa preciosidade veio das senzalas e cozinhas dos casarões, pelas mãos das mulheres escravizadas à época, tão sábias e tão menos amadas, valorizadas, nos sentidos mais amplos das palavras.

Em se tratando de polvilho, há que se falar numa preciosidade saborosa aqui das Gerais. Acredita-se que sua origem é do século XVIII, na região da Serra do Espinhaço, criação genuinamente mineira. Refiro-me a um dos xodós de Minas, o nosso pão de queijo, tão reverenciado, é a nossa lua cheia contemplada. Na época citada, o trigo era trazido de Portugal, demorava-se muito para aqui ancorar-se e seu custo era elevado. O polvilho entronizado desde então, nos tem presenteado com as quitandas saborosas, seja de manhã, à tarde ou à noitinha, sempre bem-vindas em nossos lares mineiros. A campainha tocou, a visita chegou, o forno já se esquentou, entre uma prosa e outra, quando pensa que não, Sua Majestade já está a postos para ser degustada.

Infância tem cheiro, tem sabor e quão agradável era ficar ao redor de mamãe provando e modelando a massa das quitandas feitas por ela. Quando os pães e biscoitos de queijo saíam do forno de barro, eram amparados pelas peneiras de bambu, feitas por papai, ali estava o lanche do mais fino sabor. A toalha com barrado de crochê cobria a mesa, sentávamos, sorríamos reciprocamente de nossas modelagens descaracterizadas. A fumaça no bule esmaltado, as quitandas quentinhas, nos envolviam naquele convívio tão familiar, tempos em que desfrutávamos do afeto, do aconchego de nossos pais. Hoje, restam-nos as belas lembranças desses tempos de criança, regados a pão de queijo, tão gostoso como de nossos pais, um chamego, um beijo...

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
08/12/2021 - 05h49 Devemos saber manter o amor pela vida
07/12/2021 - 05h42 Black Strange Friday
03/12/2021 - 06h00 Entre verdades e aparências
02/12/2021 - 06h07 Bustos históricos
01/12/2021 - 05h29 Livros são nossos melhores companheiros
30/11/2021 - 06h05 A vó do meu vô
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2021, UbaWeb. Direitos Reservados.