08/12/2021  21h46
· Guia 2021     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
22/11/2021 - 05h34
O descontrole das contas
Benedicto Ismael Camargo Dutra
 

Com a globalização, muitos estudos foram postos de lado e a economia foi sendo desumanizada, pois o foco se voltou para o poder financeiro. A economia, como tudo mais, teria um desenvolvimento correto se a humanidade se pautasse observando o funcionamento das leis naturais da Criação. Desse modo, as incoerências não surgiriam de forma tão avassaladora.

O descontrole das contas públicas é a prova da incompetência dos gestores públicos e seus assessores. Enquanto os políticos ficam guerreando uns com os outros pelo poder, o mercado financeiro conhece bem os pontos fracos por onde sempre soube tirar vantagens, mas o resultado está nas contas, no déficit fiscal, na dificuldade em fazer um planejamento numa dívida crescente que tem de ser renovada em 25% a cada ano e com juros que vão aumentando. É a falência da administração pública do ocidente.

O Brasil apresenta uma visão de atraso geral, provavelmente em consequência de o mundo desenvolvido, incluindo a China, ainda ver o nosso país como a velha colônia doadora e mal administrada por políticos corruptos que cedem tudo em benefício próprio. Paira uma névoa de tristeza e falta de ânimo, herança do passado colonial e que acabou sendo fortalecida pela ausência de oportunidades e uma pressão para manter a indolência sem iniciativa e autoconfiança, revelando a grande incompreensão sobre o significado da vida, pois a vida, muitas vezes, é obscuramente entendida como “um vale de lágrimas”, ou seja, para sofrer penúrias e misérias.

Há uma estrutura perversa permeando a economia. No topo estão os graúdos, os que mandam. Abaixo deles, os que ficam rodeando, bajulando e tirando proveito; muito astutos, sabotam os que estão abaixo. Em seguida, a classe média, sob risco de extinção devido à destruição de empregos de melhor nível, que sem conseguir reagir, lamenta-se sem saber o que fazer. Por fim as classes com vida mais apertada, ajudantes na área de comércio e serviços, e informais, com poucas perspectivas, sujeitos ao processo de precarização em andamento.

O trabalho se apresenta muito dividido, com tarefas monótonas e repetitivas; no entanto, todo trabalho traz proveito espiritual, dependendo da forma como o executamos: se como robôs, ou como seres humanos despertos. Seja na área de serviços, comércio ou indústria, é preciso estar sempre atento ao que fazemos, pondo a intuição em movimento, buscando a melhora.

A população vai ficando confusa, pois não sabe que rumo o país está seguindo. Falta união de esforços na busca de metas factíveis que nos tirem da situação de atraso, pois estamos produzindo cada vez menos e importando cada vez mais, o que vai se agravando por um processo de entorpecimento que emperra vários setores do país, pondo o futuro em risco de declínio geral.

O lazer é importante, mas as horas de folga não podem ser desperdiçadas inutilmente pelas pessoas que têm de se esforçar, estudar, dedicar um tempo para as leituras, a fim de aprender continuamente, para se sentirem úteis, construtoras e beneficiadoras da vida. A população precisa ter confiança de que os líderes encaram com seriedade a sua tarefa de administrar o Estado para o progresso e o bem geral, com ordem e oportunidades para todos que se esforçam na direção do aprimoramento humano.

Os noticiários nos dão conta de muitas mortes, e quando morre uma pessoa famosa, o burburinho é intenso. Num mundo envolvido pelas densas nevoas da ignorância, poucas pessoas ainda olham para as estrelas no céu, e percebem a pequenez do ser humano diante da grandiosidade do universo e do real significado da vida. É preciso redescobrir a essência da alma; o que é da terra fica, mas a alma prossegue a sua jornada.

Os seres humanos têm sido displicentes com a vida, desperdiçando o precioso tempo concedido, mas não podem perder o ânimo, pois a vida é a grande oportunidade concedida para evoluir de forma construtiva e beneficiadora, utilizando plenamente para o bem todas as capacitações com que foram dotados, seguindo em frente com coragem e confiança no bem.


Nota do Editor: Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
08/12/2021 - 05h51 A quarta onda do Covid e os cuidados
07/12/2021 - 05h40 Os Unicórnios sobreviverão?
06/12/2021 - 05h54 A pandemia e a inflação
06/12/2021 - 05h52 Atenção (e cuidados) com a variante Ômicron
05/12/2021 - 05h56 Estamos todos saindo da UTI?
04/12/2021 - 05h55 Colapso das cadeias de suprimentos (Supply Chain)
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2021, UbaWeb. Direitos Reservados.