27/01/2022  01h52
· Guia 2022     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
14/01/2022 - 06h25
De volta a incerteza sobre o Covid-19
Dirceu Cardoso Gonçalves
 

É preocupante saber que a variante Ômicron do coronavírus vai se alojar em mais da metade da população do continente europeu num prazo de seis a oito semanas. O alerta sanitário foi emitido, em Copenhagen (Dinamarca), pelo diretor regional da OMS (Organização Mundial da Saúde) para a Europa, Hans Kluge, com a observação que, apesar da menor mortalidade da cepa, o Covid-19 ainda não pode ser considerado uma doença endêmica com a qual a população conviverá. O levantamento citado pelo dirigente engloba a Europa, Rússia e países a Ásia Central. Cinquenta de 53 países pesquisados já registram casos da Ômicron. Nas 27 nações da União Europeia diagnosticou-se, 5,3 milhões de infectados na primeira semana do ano. A França explodiu em casos apesar das restrições sanitárias e na Itália um bispo chegou a proibir padres não vacinados de dar a comunhão. Nos Estados Unidos explodiram as internações e o quadro é ameaçador.

Em território brasileiro, a Ômicron se alastra e preocupa, especialmente porque chega consorciada com a nova versão da gripe H3n2. Os serviços públicos de saúde já reservam parte de sua rede de atendimento para receber os portadores de sintomas de Covid e gripe. O atendimento rotineiro de diferentes moléstias, retomado nos últimos meses, volta a ser suspenso. Aguarda-se, para os próximos dias os efeitos das festas e aglomerações de Ano Novo e os prefeitos de São Paulo, Rio e outras importantes cidades já suspenderam o carnaval de rua enquanto outros esperam mais informações sobre o comportamento da pandemia para decidir se mantém ou cancelam a festa, programada para a virada de fevereiro para março.

Verificamos, em São Paulo, o governo preocupado com a transmissão - que na Ômicron é mais veloz do que nas cepas anteriores - se preparando para retomar as restrições de aglomeração e eventos que reúnam grande número de pessoas. Por ora, como definiu o governador João Dória, ainda não se vai mexer com o horário do comércio e de serviços. O certo é que voltamos aos momentos apreensivos da pandemia, quando ainda não se sabe o que poderá acontecer nos próximos dias e meses. Ver as autoridades mais cautelosas (que nos anos anteriores) com a imposição de restrições às atividades econômicas é interessante. Mas é preciso ter a eficiente avaliação de como será possível manter essa situação. Sete Estados já adotaram medidas restritivas.

Diferente da virada de 2019 para 20, quando a pandemia já eclodia na China e o mundo nada fez para evitá-la, temos hoje todas as preocupações para nos preservar do ataque da Ômicron e de outras cepas que possam chegar ao nosso território. As autoridades de saúde hoje já possuem estudos sobre a pandemia e suas formas de ataque. É preciso muita observação em relação às novas cepas do vírus e a possível interação.

Estamos num ponto onde o grande conselho é cuidado. Ninguém se prejudicará se mantiver o distanciamento, a não aglomeração e os cuidados sanitários básicos. E os governos e autoridades de saúde têm o dever de oferecer a estrutura de tratamento àqueles que vierem a se contaminar. Os milhares de brasileiros que fugiram da vacina têm de por a mão na consciência e - acima disso - pensar na própria saúde. Está provado que o vacinado corre menos riscos e mesmo que pegue a Covid, é mais difícil vir a desenvolvê-la na foram grave e mortal.

Toda atenção é necessária nesse quadro incerto e ameaçador. Esperamos que, desta vez, mesmo em sendo um importante ano eleitoral, os políticos não deem sequência à nefasta discussão em torno da pandemia com o objetivo de ganhar votos. Isso é, no mínimo, desrespeito aos mais de 620 mil brasileiros que morreram e aos milhares que restaram sequelados nesse episódio de saúde. Os que tentarem tirar proveito político disso, principalmente atacando o adversário, merecem toda a repulsa popular e a melhor delas: a negativa do voto...


Nota do Editor: Dirceu Cardoso Gonçalves é tenente da Polícia Militar do Estado de São Paulo e dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
26/01/2022 - 05h50 Lula e Moro, candidatos das pendências
26/01/2022 - 05h46 Olavo de Carvalho - Muito obrigado
25/01/2022 - 05h39 Salvando o ocidente dos danados
24/01/2022 - 06h20 Somos todos responsáveis
23/01/2022 - 05h22 A pandemia e a humanidade
23/01/2022 - 05h19 Responsabilidade com o futuro
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2022, UbaWeb. Direitos Reservados.