27/05/2022  23h04
· Guia 2022     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
13/05/2022 - 06h21
Juros e desequilíbrios
Benedicto Ismael Camargo Dutra
 

No Brasil e no mundo há uma série de ideias que se opõem. Como surgiu essa polarização? Seria por teimosia, ou por julgar que suas ideias são superiores às do outro grupo? Ao final, acabam se perdendo em teorias e se afastam da naturalidade, isto é, dos princípios básicos de liberdade, responsabilidade e dos objetivos beneficiadores das condições gerais de vida. Maquiavel tinha razão. Divididos irreconciliáveis, cobiçando o poder, do jeito que o diabo gosta, são mais facilmente dominados, e nada de bom realizam para a nação.

Por longo período o mundo experimentou juros baixos com dinheiro sobrando. De repente a coisa vira. O dinheiro abundante e barato vai secando e não vai dar para segurar o que estiver com base frágil. O descompasso nas cadeias de suprimentos faz repensar a globalização. Os preços baixos tendem a subir. A produção de alimentos sofre reveses. Os maus governos não terão como disfarçar sua ineficiência. O que vem para o mundo não será um simples resfriado.

Quando o FED eleva os juros para a moeda mundial, ocorre uma enxurrada que valoriza o dólar, mas aumenta a dívida. Japão e Europa caminham na direção oposta, desvalorizando euro e yen; o yuan chinês também acompanhou, e suas exportações ficaram mais baratas em dólar, aliviando a pressão inflacionária. No Brasil, se o dólar ficar mais caro, repercute nas importações, pressionando a inflação. O sistema todo fica engessado pela taxa de juros, ou seja, o instável arcabouço financeiro gera desequilíbrios na economia mundial.

Há economistas que dizem que não estão claros os efeitos que a elevação dos juros no Brasil possa trazer para deter a depreciação do dinheiro. A carestia está assustadora, pois o dinheiro está perdendo valor pelo mundo. Destaca-se a atividade agropecuária atraindo divisas, usando o solo e a água, produzindo alimentos que são exportados. Os grandes conglomerados mundiais dominam os mercados e focam no ganho. O problema dos impostos arrecadados está na gestão do dinheiro que desaparece na máquina governamental.

Pandemia, criação de muito dinheiro, guerra na Ucrânia, tudo isso afeta o PIB. Para sobreviver, a população precisa de alimentos, educação, saúde. O que impede que haja produção interna para atender a essas necessidades com bom preparo da população? O Brasil se tornou dependente do mercado externo para exportar seus produtos primários, descuidando de tudo o mais, aumentando a dependência das importações. Sem iniciativas visando a melhora geral, os mandantes que se aboletaram no poder buscaram tirar vantagens e acumular dólares, deixando a economia estagnada.

Quais seriam os efeitos de uma desaceleração econômica mundial? Desvalorização de papéis e ativos reais e commodities? E os alimentos como ficariam? Crise de solvência? O dinheiro seria atraído pelos juros em movimento de ascensão, encarecendo o crédito? Qual seria o efeito sobre as novas gerações que têm de ingressar no mercado de trabalho? O que os governantes deveriam estar fazendo para manter a ordem e a estabilidade social?

O século 21 nos apresenta muitos acontecimentos que seguem um padrão declinante. Um impacto negativo após outro, colocando a humanidade num patamar bem abaixo de onde deveria estar, se tivesse dado ao espírito a oportunidade de se manifestar para atuar em conjunto com o raciocínio intelectivo.

Na adolescência, os jovens se tornam sonhadores. A melancolia abre seus olhos para o mundo à sua volta, percebendo as asperezas e o sofrimento que envolve a humanidade. Querem encontrar a causa e a solução, mas logo são empurrados para a sexualidade descomprometida, o domínio do instinto exacerbado ao longo dos séculos, e nisso também encontram apoio nas ideologias materialistas, afastadas das leis do Criador. As mídias sociais atraem as atenções, exercendo forte influência nos despreparados.

O rapaz se deixa embrutecer e a garota, não reconhecendo a joia que a feminilidade encerra, se deixa levar pela onda de libertinagem sexual que vem de longa data, e agora está no auge com o apoio de uma arte que incentiva o declínio do ser humano. Como não receberam a noção da necessidade de equilíbrio e retribuição por tudo o que recebem, ficam sem base e sem compreensão da vida.


Nota do Editor: Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
27/05/2022 - 06h46 Covid vira endemia, mas ainda exige cuidados
26/05/2022 - 06h16 O que querem os investidores mundiais?
26/05/2022 - 06h14 De susto em susto
25/05/2022 - 06h36 A segurança sobre duas rodas
24/05/2022 - 06h17 Reféns da covid e das cargas
23/05/2022 - 06h24 Eleições à vista
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2022, UbaWeb. Direitos Reservados.