01/10/2022  23h38
· Guia 2022     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
22/09/2022 - 06h14
O sorriso torto do lagarto amarelo
Dartagnan da Silva Zanela
 

Millôr Fernandes dizia que viver é similar a desenhar sem borracha. Para variar, o fraseado do homem, além de bem-dito, é certeiro.

Não há uma única viva alma na face da terra que, ao olhar para trás, para os dias que já se foram e não voltam mais, e não encontre boleiras de vergonhas, ultrajes e vexames. Claro, uns mais que outros, mas todos nós temos as nossas vergonhas e elas são todinhas nossas e ninguém tasca.

As glórias, se as tivermos, podem ser retiradas de nós, as vergonhas, jamais.

Diante desse dado vexaminoso, há muitos que ficam se remoendo e, ao mesmo tempo, procurando justificativas para seus desatinos e, é claro, um culpado, ou muitos culpados, para os seus disparates e, ao fazer isso, acabam entrando num círculo vicioso de auto piedade.

Porém, há muitíssimas outras pessoas que, reconhecendo-se como uma figura marcada pelo pecado, olham para si e para as suas misérias e riem, porque diante de nossas quedas, rir continua a ser o melhor remédio.

Sim, rir é bom e rir de si mesmo é melhor ainda. Quando nós nos levamos muito a sério acabamos por construir uma autoimagem idealizada de nós mesmos e, como havíamos dito noutras ocasiões, isso não é nada bom.

Agora, quando somos capazes de rir das nossas cabeçadas, das nossas quedas e fracassos, estamos reconhecendo o nosso tamanho real, o nosso real valor e, ao fazermos isso, estamos construindo uma base sólida para, de fato, nos aprimorarmos e, se Deus permitir e nós não nos atrapalharmos, não mais cometeremos as mesmas besteiras em nossa porca vida.

Não é à toa, nem por acaso, que os grandes sábios da humanidade sempre foram figuras bem humoradas. Não é por acaso, nem à toa, que todas as pessoas pretensamente críticas sejam tão azedas quanto aborrecidas diante de suas incontáveis e inconfessáveis vergonhas.

Crônica falada.


Nota do Editor: Dartagnan da Silva Zanela é professor e ensaísta. Autor dos livros: Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos - ensaios sociológicos; mantém o site Falsum committit, qui verum tacet.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
01/10/2022 - 06h17 Os ratos do velho casarão
30/09/2022 - 06h38 As mãos sujas de Tucídides
29/09/2022 - 05h44 Decisão, decididos e indecisos
28/09/2022 - 06h15 O burrinho que se perdeu em Jericó
28/09/2022 - 06h11 A vaidade masculina está se manifestando
27/09/2022 - 05h55 Voltando os olhos para o céu
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2022, UbaWeb. Direitos Reservados.