10/12/2022  05h42
· Guia 2022     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
01/10/2022 - 06h17
Os ratos do velho casarão
Dartagnan da Silva Zanela
 

Uma das coisas mais difíceis para se aprender nessa vida é dizer o dito cujo do “não”. Saber dizê-lo é uma arte que, se for devidamente aprendida, não apenas nos livrará de inúmeros perrengues, mas também e principalmente, irá nos ajudar a tornarmos a nossa vida, no mínimo, mais proveitosa.

Explico-me: dizer não para os amigos com toda certeza não é uma tarefa fácil, da mesma forma que não é agradável dizer não para um chato de galochas, porém, isso é necessário em muitíssimas situações, para o nosso bem, para o bem deles, para o bem de todos.

Agora, dizer não para os nossos desejos, para as nossas “queredeiras” de momento é difícil, é muito mais difícil e, por isso mesmo, necessário.

Dizer não para nós mesmos é phoda porque somos indulgentes demais para conosco mesmo e, por isso, sempre encontramos aqui e acolá, alguma desculpinha esfarrapada para justificar malandramente um sim para os nossos impulsos impensados.

Sabe aqueles momentos de raiva, empolgação, distração, excitação e tutti quanti que, vez por outra, nos cercam e clamam pela nossa entrega? Pois é. Deveríamos aprender a dizer não para cada um deles.

Afinal, quem está no comando da nossa vida? Nós ou esses impulsos desordenados que ficam pelejando entre si e nos puxando de um lado para o outro para aderirmos a eles a todo momento de forma incondicional?

Então, infelizmente nossa curiosidade frívola governa o nosso olhar, da mesma forma que a falta de zelo comanda nossa indisposição frente aos nossos deveres mais elementares e, mesmo assim, acreditamos [tolamente] que estamos no comando de nossas ações, das nossas escolhas, enfim, da nossa vida.

Ora, da mesma forma que uma carroça cujo carroceiro está bêbado é um veículo fora de controle, uma vida onde nossos impulsos nos puxam e arrastam para toda e qualquer direção é uma existência digna de pena, às vezes, nem isso.

Crônica falada.


Nota do Editor: Dartagnan da Silva Zanela é professor e ensaísta. Autor dos livros: Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos - ensaios sociológicos; mantém o site Falsum committit, qui verum tacet.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
08/12/2022 - 05h29 O Quilombo Serra do Talhado
07/12/2022 - 06h07 Amar sem esquecer do romantismo
06/12/2022 - 05h50 Competência e humildade
30/11/2022 - 05h14 Ideal é poder viver agradavelmente
29/11/2022 - 05h32 A bota de Maria
28/11/2022 - 06h20 Uma leitura que me marcou
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2022, UbaWeb. Direitos Reservados.