10/12/2022  05h56
· Guia 2022     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
23/11/2022 - 05h37
O cajado de Moisés
Dartagnan da Silva Zanela
 

Uma coisa que frequentemente se confunde é o poder nominal com o poder efetivo. Se confunde três por quatro e, essa visão equivocada, deve ser extirpada de nosso horizonte para clarear o nosso entendimento.

Explico-me: poder nominal seria simplesmente um cargo que dá a um sujeito uma posição de superioridade frente a sociedade. Esse é o caso de um Prefeito e, é claro, de um Presidente da República. Estes, por sua investidura, podem mandar, porém, mandar por mandar, não é poder.

Já o poder efetivo não encontra-se instalado em um cargo, mas sim, diluído na sociedade, presente em inúmeras entidades, organizações e grupos formais e informais. Nestes, as ordens são obedecidas por aqueles que os integram. Resumindo a encrenca: obediência é poder.

Ou, dito de outro modo: consentimento é poder. Mando, por si só, é apenas uma demonstração pífia de força que, muitas e muitas vezes, apenas sinaliza, de forma clara, uma baita fraqueza.

Nesse sentido, fica claro feito uma noite enluarada, que se uma pessoa que ocupa um cargo nominal não tiver o apoio de uma rede difusa de entidades e grupos formais e informais, que lhe deem sustentação, não terá poder efetivo algum. Sim, ele poderá mandar, mandar, mandar e, no frigir dos ovos, ninguém irá obedecê-la.

Tendo isso em vista, a derrota de Bolsonaro nesse pleito é apenas a consolidação de um processo que começou com a sua candidatura. Lembremos: ele não tinha, e não estava conseguindo em 2018, uma legenda para concorrer ao pleito, tamanha era a oposição que o Deep State tinha em relação a ele.

Francamente, 4 anos atrás, eu imaginava que ele ficaria apenas 6 meses no cargo e, voilà! Cá estamos.

E para onde vamos? Voltar para a prancheta e, como já disse noutra ocasião, fazer um exame severo do que foi feito e, principalmente, do que deixou de ser realizado, especialmente, lembrarmos que o que se convencionou chamar de “movimento conservador” tem que ser maior e mais amplo que um punhado de lideranças isoladas.

Na verdade, em alguma medida já é. Falta apenas começar a tomar consciência disso, lapidar-se, organizar-se e continuar a trilhar o seu caminho que, diga-se de passagem, está apenas começando.


Nota do Editor: Dartagnan da Silva Zanela é professor e ensaísta. Autor dos livros: Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos - ensaios sociológicos; mantém o site Falsum committit, qui verum tacet.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
10/12/2022 - 05h23 O que de fato é
09/12/2022 - 05h33 Contramão de direção
09/12/2022 - 05h29 A Copa do Mundo em uma primavera atípica
08/12/2022 - 05h31 Criatividade: o mito do dom
08/12/2022 - 05h26 A esperança pelo hexa no Qatar
07/12/2022 - 06h09 As crianças e a política
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2022, UbaWeb. Direitos Reservados.