15/12/2019  11h13
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Elcio Machado
25/08/2014 - 08h00
Perequê-Mirim, em Ubatuba, praia boa mesmo
 
 

Disse José Ronaldo dos Santos que a praia do Perequê-Mirim era uma “boa praia até meados da década de 1980”. Comento isso, e advirto minha meia-dúzia de leitores: o texto é longo, exaustivo.

Maurício Moromizato me ensinou, em um puxão de orelha público, que, quando há bandeira vermelha da Cetesp, não é a praia que está poluída, é a água do mar que está imprópria para o banho. Mas, penso cá comigo, praia não é só a faixa de areia. É a faixa de areia banhada por água. Se a água está poluída, a praia não está hígida... De qualquer forma, no linguajar do povo e da mídia, consagrou-se a expressão “praia poluída”. E a do Perequê-Mirim, nos últimos anos, é a mais poluída de Ubatuba, mais ainda do que a famigerada praia sul do Itaguá, que é apenas a mais famosa. Trata-se de uma praia pequena, de águas mansas, no Saco do Perequê-Mirim, Enseada do Flamengo. Não é praia para a agitação dos surfistas, calma e bucólica que é. Se fosse de boa balneabilidade, seria ideal para famílias com crianças e idosos, como já foi no passado. Até um pequeno quiosque funcionava.

O que aconteceu com ela? Quais as causas? Foi vítima da política nanica que persiste em Ubatuba, bem como o descaso daqueles que elegemos como nossos representantes, estaduais e federais inclusos mas, principalmente, os locais, prefeitos e vereadores – inclusos os atuais. É nanica porque se baseia em disputas políticas menores por poder, por não visar ao bem comum.

Desde logo, é necessário registrar o falecimento do grandioso Programa Onda Limpa, do Governo de São Paulo, do PSDB, com recursos estimados em R$ 500 milhões para os CUIS do Litoral Norte (Caraguá, Ubatuba, Ilhabela e São Sebastião). As obras seriam executadas com recursos próprios da Sabesp, da Jica Japan International Cooperation Agency e do e BNDES. Outros R$ 1,4 bilhão seriam destinados à Baixada Santista, entre Bertioga e Peruíbe, passando por Santos-São Vicente-Cubatão-Praia Grande e todos os outros municípios de lá. Os investimentos totais, desde 2007, hoje estariam a beirar R$ 2,1 bilhões. Mas não foi o suficiente para melhorar a qualidade das praias. Ninguém sabe, ninguém viu, a Sabesp parou de falar no assunto, mas várias obras foram executadas na Baixada Santista e algumas poucas nos CUIS. Até as placas sobre o programa, nas margens da rodovia Rio-Santos, neste trecho chamada de rodovia Rodovia Doutor Manoel Hipólito do Rego, apodreceram e desaparecem nos últimos cinco anos.

Se não faleceu, ao menos teve uma síncope (delíquio, como diria Jânio Quadros) da qual não se recuperou. Foram instaladas redes coletoras aqui no bairro, que ligam nada a lugar nenhum. Depois de anos enterradas, sem qualquer uso nem manutenção, se algum dia vierem a ser usadas precisarão ser refeitas. Quando? O prefeito Maurício Moromizato disse que a Sabesp tinha ido a ele, mas que ele ainda não tinha ido à Sabesp. Se foi, esqueceu-se de contar, de usar sua assessoria formal e informal de comunicação a serviço do bem comum, do povo – ah, a naniquice política...

Sem coleta e tratamento decente de esgoto, não há como ter onda limpa. Não tem como despoluir a praia – opa! despoluir a água do mar que bate na praia.

Há um outro programa estadual que data de 2007 e que também patina, por falta de recursos (parte viria do BID) e falta de vontade política de enfrentar os donos das casas de alto padrão existentes nas cotas altas dos morros, nas áreas de preservação ambiental: o Programa Serra do Mar, que pretendia reassentar famílias moradoras de áreas do parque da Serra do Mar, inclusive nos CUIS. Deveria ter sido concluído em 2013. Enquanto isso, a ocupação nas cotas altas dos sertões (são três) do Perequê-Mirim continua e prospera.

José Ronaldo dos Santos

Já citei José Ronaldo dos Santos várias vezes neste espaço democrático que é O Guaruçá. Em 2011, março ainda, falei que há pessoas em Ubatuba que não conheço pessoalmente, mas gostaria de conhecer. José Ronaldo é uma delas, e reitero: gostaria de ter esse prazer. Talvez num singelo café da manhã aqui no nosso Cantinho, com um visual bonito e, quem sabe, com uma sinfonia estridente. Dalgas Frish, um estudioso sem títulos acadêmicos, jura que são os machos, mas os caiçaras antigos daqui dizem que tanto macho como fêmea ensinam o canto tribal aos filhotes. Fato é que a sinfonia estridente dos sabiás e das sabiás vai desde a madrugada até bem depois que o sol nasce.

Neste final de madrugada de terça-feira, Marlene acordou irritada (de mentirinha) por causa do privilegiado gogó de um (ou uma) sabiá cantando bem pertinho da janela do quarto. Sabiás e outras umas quarenta espécies de pássaros, muitas das quais fotografadas aqui pela Marlene, uns 60 ou 90 ou mais indivíduos, é impossível saber, são um encanto à parte neste nosso Cantinho. Que está à venda (com a Marlene, que também tem um apartamento para alugar nas temporadas). Seguimos curtindo enquanto podemos. Mas a falta de assistência médica (e somos dois velhos com problemas específicos que o precaríssimo sistema de saúde de Ubatuba não dá conta de atender) nos obriga a abandonar Ubatuba, um paraíso ainda a construir.

Reclamões

Os políticos daqui não são chorões. Talvez mamem, e muito, mas não em benefício do povo.

Estamos aqui, no pé do Funhanhado, na época dos reclamões. E, como quem não chora não mama, quem pia mais ganha mais comida. Os reclamões são os filhotes de saíras, tiês, sabiás, sanhaços e de várias outras espécies. Trata-se da fase em que os pais levam os filhotes até os comedouros – temos alguns, aqui no nosso Cantinho, abastecidos com muitas bananas, alguns mamões e poucas laranjas, seguindo a ordem de preferência de nossos emplumados e barulhentos visitantes. Só que os bandidinhos ainda querem comida no biquinho, serão vários dias até que percebam que não precisam dos pais para bicarem eles próprios as frutas disponíveis.

O Perequê-Mirim – e, de resto, Ubatuba – não é um reclamão. Aceita o descaso municipal, estadual e federal com mineira resignação. Aceita o descaso de condomínios que esvaziam suas fossas poluindo a praia – opa! o mar, não a praia – pela rota pedestre citada pelo José Ronaldo. Esse povo dos condomínios não é bobinho. Faz a descarga do esgoto em alguns finais de semana, no final da tarde, na troca de turno da PM Ambiental. Já reclamei, denunciei, mas... O esgoto, de cheiro pútrido, continua correndo a céu aberto pela rota terrestre Caminhos de Anchieta, citada pelo José Ronaldo, até atingir a praia e o mar pelo pequeno córrego na ponta norte da praia.

Queijo com banana verde

O Julinho, tenho certeza, gosta dos mineiros, mas não se sente confortável quando mostram tendência de não respeitar a cultura caiçara. Registrou em belo texto a indignação do pai dele com coletores de mariscos que, calçando botas sete-léguas, usavam enxadas como ferramentas numa das muitas e belas costeiras do nosso litoral, que citei em outubro de 2010.

Nada contra os mineiros, nada mesmo. Gosto muito deles, antes de virmos para cá cogitávamos em nos mudar para a região da Canastra, a terra dos sonhos. Mas aqui em Ubatuba já temos o suficiente, não podemos abrigar mais. É que Ubatuba precisa se desenvolver, mas não pode crescer. Cada mineira que vem para cá em pouco tempo forma família e passa a ter um herdeiro. Dois, três, uma grande capacidade de gerar lindos bebês saudáveis. Mas que isso não vire preconceito nem xenofobia. Não são só mineiros que aportam aqui, eu mesmo sou um caipira do interior de São Paulo. E boa parte não apenas do crescimento mas também do desenvolvimento de Ubatuba é mérito de mineiros trabalhadores e empreendedores. Quando o Perequê-Mirim era ainda mais carente de quase tudo, o mineiro Tio Elias abriu um mercadinho e instituiu a caderneta de fiado, que quando cheguei aqui a mim negou. É que eram tempos incertos, estava para ser inaugurado um grande supermercado de uma rede com sede em São José dos Campos. Continuo sem a caderneta, o supermercado se consolidou e o mercadinho do Tio Elias, hoje gerido por seus filhos, continua firme e forte, progredindo. Não tem muita variedade, mas tem o básico (e um pequeno açougue muito melhor e mais limpo do que o do grande concorrente). A caderneta, na verdade, não me faz falta, porque o mercadinho aceita cartão de crédito.

O Perequê-Mirim já foi um bairro de caiçaras, neles incluídos os oriundos de Tarba e que tão bem absorveram a cultura local que são facilmente confundidos com os nascidos nestas terras de Coaquira.

Ainda é um bairro relativamente tranquilo, não se ouve falar de furtos, de homem batendo em mulher, de estupro, nem mesmo de assédio em via pública. É constrangedor reconhecer que, talvez, seja porque é um bairro que tem dono que também não deixa o crack vicejar por aqui.

Cetesb

Sobre balneabilidade das praias. Peço à minha meia dúzia de leitores (os que tiveram a paciência de chegar até aqui), leitores, não se assustem. O site demora mesmo para abrir. Se tiverem paciência, há no site links com as séries históricas, que comprovam que a praia do Perequê-Mirim é mesmo a mais poluída de Ubatuba.


Nota do Editor: Elcio Machado (cidadania.e@gmail.com), 60, batizado como Elciobebe, sob as bênçãos e maldições de Cunhambebe, caiçara em construção. Mantém o blog Exercícios de Cidadania (cidadania-e.blogspot.com). Permitida a reprodução, desde que citados a fonte e o endereço eletrônico original.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "UBATUBA"Índice das publicações sobre "UBATUBA"
15/12/2019 - 06h27 Renovação da licença de feirantes em Ubatuba
14/12/2019 - 08h19 Ambulatório de Infectologia amplia atendimento
13/12/2019 - 06h47 `Guarda responsável de animais e zoonoses´
12/12/2019 - 06h56 Interdição parcial no Itaguá em Ubatuba
11/12/2019 - 05h10 Interdição na Estrada da Almada em Ubatuba
10/12/2019 - 06h46 E nas areias de Ubatuba... (CCXCI)
ÚLTIMAS DA COLUNA "ELCIO MACHADO"Índice da coluna "Elcio Machado"
25/10/2018 - 08h35 Non siamo tutti buona gente
23/12/2015 - 08h02 Um ano desde o assassinato de Guerra em Ubatuba
01/12/2015 - 08h08 Escrafunchando o lagamá de Ubatuba
22/04/2015 - 08h04 Ubatuba não terá Calatrava nem Otake
08/03/2015 - 08h05 O Guaruçá e as mulheres, união indissolúvel
10/02/2015 - 08h07 Ubatuba: inquérito sobre Guerra não progride
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.