10/12/2018  15h07
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
28/06/2018 - 07h18
Neofeminino: livres! E agora?
Alice Schuch
 

Tema fascinante e arrebatador, a liberdade desafia pensadores de todos os tempos em busca de uma explicação racional e concreta acerca desta palavra que faz toda a diferença no nosso existir.

Criaturas que somos, nutridas pela liberdade, estamos dispostas a amá-la, cantá-la e, certamente, por ela lutar. A liberdade não é algo pueril, é algo sério e relevante para cada uma de nós, é um sonho nosso, pois nascemos livres.

O que é liberdade?

Na sua origem a palavra liberdade está relacionada com o vocábulo latino libertas, empregado pelos romanos para diferenciar os escravos e prisioneiros dos cidadãos.

Pontua o filósofo Aristóteles que o homem é o princípio e o pai de seus atos e cada um delibera sobre o que crê ter de fazer. A liberdade para filósofo é o princípio para eleger entre opções possíveis, realizando-se como decisão e ato voluntário. Com isso, a pessoa sendo livre, torna-se o agente dos fatos sobre os quais atua, pois todas as suas ações partem da sua reflexão acerca da realidade que o rodeia, da sua vontade e das metas que almeja atingir.

Refere Sartre que a liberdade é o poder que temos de escolher, é uma opção concretizada por nós que reflete os nossos projetos no mundo, ou seja, além de escolher a si mesmo, escolhemos aquilo que causamos, sendo esta a nossa colossal responsabilidade, segundo o autor.

Logo, é determinante perguntar-se o que fazer com a liberdade que o Terceiro Milênio nos brinda, momento único no qual cada mulher pode inventar a sua história, a sua empresa, o seu trabalho e o seu interesse na alegre fantasia de criar a si mesma no mundo.

Não é a natureza que deve ordenar o bem para o indivíduo porque ela já nos fornece tudo aquilo de que necessitamos. Cada uma de nós deve fazer-se providente, prudente e exaltante, exercitando os meios que dispõe.

A liberdade não se espera, se constrói, tendo em mente que ao empinar o papagaio precisamos ter cuidado com os fios elétricos e saber deles desviar-nos sem por isso deixar de andar em frente, soltar as nossas pipas, cantar as nossas canções, realizar os nossos sonhos.

Viver em liberdade é operar o dar-se das próprias aspirações.

Alegria!


Nota do Editor: Alice Schuch é escritora, palestrante, pesquisadora e doutora do universo feminino.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
10/12/2018 - 08h00 Contra as pautas-bomba, recesso já...
10/12/2018 - 07h56 Vem, minha cadeira é sua
09/12/2018 - 06h57 O estigma da recuperação escolar
09/12/2018 - 06h53 Oração para o final do ano
08/12/2018 - 09h21 Direitos humanos para todos
08/12/2018 - 09h17 A importância de celebrar vitórias






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.