21/08/2019  03h10
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
12/08/2019 - 06h39
A reforma da máquina pública
Dirceu Cardoso Gonçalves
 

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo. É uma necessidade reconhecida desde os tempos de FHC, que passou por Lula e Dilma, sem pelo menos tentarem realizá-la, chegou a ser proposta por Temer, mas o seu governo não teve força para fazer o projeto avançar. Agora, na tramitação pelo Senado, a novidade é a tentativa de incluir estados e municípios, que ficaram fora nos turnos da Câmara. Conseguido isso, estará solucionada a sustentabilidade do sistema de seguridade em todos os níveis, já que a maioria dos entes federados opera o sistema com déficit e sua inclusão só ficou de fora em razão dos interesses de governadores e parlamentares em relação às eleições do próximo ano. Para não ficarem mal com o funcionalismo a quem vão pedir votos, preferiram ignorar o problema e, por omissão, condená-los à penúria.

A nova realidade aconselha, a partir de agora, austeridade para evitar criar novas normas e benefícios que voltem a tirar o sistema dos trilhos. Espera-se, também, que governo, deputados e senadores se debrucem com empenho sobre a reforma tributária e outras igualmente necessárias, que são pedras de toque para a volta do desenvolvimento. O país é um dos maiores cobradores de impostos do mundo e, mesmo assim, amarga o déficit público. Isso indica que, em paralelo à mudança do quadro tributário para torná-lo mais justo com os contribuintes, é preciso fazer a reforma administrativa onde sejam eliminadas gorduras das máquina estatal. Além dos milhares de cargos criados prioritariamente para acomodar indicados políticos, é preciso rever a necessidade de funcionários em cada repartição e, ainda, eliminar ou reduzir os conselhos que pagam polpudos jetons e servem apenas para proselitismo de ordem ideológica e, muitas vezes, nem para isso. O povo não pode pagar a conta da ideologia dos governantes.

Desde 1985, quando os militares devolveram o poder aos civis, a demagogia correu frouxa. Governantes ideológicos e temerários, com o mote de se parecerem democráticos, incharam a máquina estatal de conselheiros e assessores totalmente desnecessários. Criaram órgãos de representação popular e outros mecanismos que não serviram para melhorar em nada a prestação de serviços. Agora, que mudou a orientação ideológica, o governo acena com a eliminação desses penduricalhos. É importante que isso seja feito, mas não deve representar apenas o oposto do que fizeram os democratas pós-85.

Ao desinchar a máquina pública, o governo deve aproveitar para incorporar novas tecnologias, reciclar e valorizar o funcionalismo de carreira e, com isso, garantir melhor prestação de serviços à coletividade. Importante: essa modernização da máquina não deve ser apenas federal. Estados e municípios também dela necessitam para se enquadrarem aos novos e competitivos tempos de globalização.


Nota do Editor: Dirceu Cardoso Gonçalves é tenente da Polícia Militar do Estado de São Paulo e dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
20/08/2019 - 05h07 Os canalhas não passarão!
20/08/2019 - 05h03 As boas brasileiras
19/08/2019 - 06h29 A recessão e a responsabilidade de cada um
19/08/2019 - 06h25 Momento de ansiedade mundial
17/08/2019 - 07h16 VAR e os lances polêmicos: acabaram os problemas?
17/08/2019 - 07h11 Afinal, o que é qualidade de vida pra você?
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.