22/01/2020  06h19
· Guia 2020     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Medicina e Saúde
25/08/2019 - 07h32
26/8: Dia Internacional da Igualdade Feminina
 
 

Data importante para lembrar que igualdade da mulher no acesso à saúde tem um longo caminho até ser alcançada. Um exemplo é câncer de mama no Brasil, em que as taxas de mortalidade estão relacionadas ao acesso aos serviços de saúde e à qualidade da assistência ofertada às mulheres com esse tipo de tumor

No dia 26 de agosto é comemorado o Dia Internacional da Igualdade Feminina. Muito se tem falado a respeito da igualdade de gênero e de equidade salarial. Porém, e sobre a saúde da mulher, qual o tipo de igualdade é abordado? De acordo com o oncologista André Sasse, CEO do Grupo SOnHe - Sasse Oncologia e Hematologia, infelizmente o acesso aos serviços de saúde e a qualidade da assistência ofertada às mulheres está longe de ser igual para todas. Desta forma, existe ainda muito fortemente, conforme apontado pelo médico, desigualdade entre as próprias mulheres no que diz respeito ao cuidado com a saúde.

“Quando falamos sobre o câncer de mama no cenário brasileiro, por exemplo, as taxas de mortalidade estão fortemente relacionadas ao acesso aos serviços de saúde e à qualidade da assistência que é ofertada às mulheres com esse tipo de tumor. No mundo, as estimativas de sobrevida em cinco anos mostraram uma tendência de aumento em países desenvolvidos; no Brasil, principalmente entre as mulheres que dependem da saúde pública, isso não é observado”, afirma.

Dados do importante estudo Concord-3 (ALLemANI, 2018) mostram que, no Brasil, as estimativas de sobrevida em cinco anos foram de 76,9% (75,5 - 78) para o período de 2005 a 2009 e de 75,2% (73,9 - 76,5) para o período de 2010 a 2014.

“Algumas diferenças são reveladas quando os casos são comparados por regiões do país nos últimos três anos de atualização da base de dados. A proporção de casos de tumor classificados como doença avançada (estádios III e IV) antes do início do tratamento é maior na região Norte (50,1%). Nas regiões Sul e Sudeste, a proporção de mulheres que chegam ao hospital com doença inicial (estádios 0, I e II) é de 66,6% e 65,1%, respectivamente”, comenta Sasse.

O especialista explica ainda que quando são analisadas as informações considerando a escolaridade da mulher o cenário muda consideravelmente. “Conforme aumenta o nível de escolaridade, cresce a proporção de casos que iniciam o tratamento em até 60 dias após o diagnóstico. Claramente, as mulheres com mais acesso às informações e aos serviços de saúde recebem mais rapidamente o tratamento”, afirma.

Dados

O câncer de mama é um dos desafios no cenário atual de envelhecimento populacional e enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil. É o tipo de câncer que mais acomete as mulheres no Brasil e segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA) as estimativas de incidência para o ano de 2019 são de 59.700 casos novos, o que representa 29,5% dos cânceres em mulheres. É também o tipo de câncer que mais mata. Em 2016, foram registrados, no Brasil, 16.069 óbitos por câncer de mama em mulheres.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "MEDICINA E SAÚDE"Índice das publicações sobre "MEDICINA E SAÚDE"
21/01/2020 - 07h22 Depressão pós-parto: o que dizem os médicos
20/01/2020 - 07h45 Cuidado com o Chikungunya
18/01/2020 - 07h54 Vai viajar de avião?
16/01/2020 - 08h23 Fraturas, quedas e acidentes podem causar trombose
15/01/2020 - 07h15 Pé diabético no verão
14/01/2020 - 06h34 Tumores raros
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2020, UbaWeb. Direitos Reservados.