26/10/2020  15h19
· Guia 2020     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
21/09/2020 - 06h52
Há milênios por caminhos errados
Benedicto Ismael Camargo Dutra
 

A economia do dinheiro criado pelo homem gerou grandes desequilíbrios. Alguma forma deverá ser encontrada para que as pessoas possam ter uma vida digna entre os extremos de trabalhar 14 horas por dia por um mínimo, ou receber um auxílio sem ter de fazer nada. A natureza oferece tudo que o ser humano necessita, mas requer esforço. A economia globalizada acabou transtornando ainda mais o que já era precário. Na contabilidade, tudo requer o débito e o crédito, no entanto, hoje poucos têm o crédito, pois o débito domina a maioria que mal consegue sobreviver.

A criança tem de aprender desde cedo a noção do trabalho, inclusive como forma de retribuir por tudo o que recebe dos pais, começando por auxiliar em pequenos trabalhos no lar, como varrer o chão, cuidar do jardim, e tantas outras tarefas. Só o trabalho constrói, em casa ou fora dela, em período e atividade adequada para crianças acima de 12 anos, sem comprometer o tempo de estudo.

As novas gerações enfrentam o problema da pobreza ao lado do despreparo de homens e mulheres para gerar filhos. Do nascimento até a adolescência é imprescindível que a criança se sinta bem-vinda em seu lar onde deve ser cercada de cuidados e preparada para se fortalecer para não ficar eternamente dependente dos pais. A questão do dinheiro pode encontrar alguma solução, mas a ausência de cuidados e carinhos fica mais difícil de resolver.

A crise mostra o quanto a economia se afastou da naturalidade. Agora muitas pessoas não têm o suficiente para se alimentar, mas a situação mundial pode se agravar com os problemas que surgem na produção de alimentos, permitindo que aqueles que dispõem de recursos saiam pelo mundo comprando comida, sem que haja políticas de equilíbrio nos países em relação ao que se exporta e o que se faz necessário para abastecer a própria população. Os governos, as elites pensantes e as pessoas em geral não podem continuar se esquivando de forma tão irresponsável. Bom senso e consideração humana são as palavras-chave.

Na vida, como na eletricidade, estamos sujeitos aos curtos-circuitos, geralmente por fiação mal feita. Vamos caminhando pela vida, pensando, falando, agindo, isso tudo vai gerando fios que se entrelaçam gerando o nosso destino. Imaginem muitos fios entrelaçados, mal resolvidos, sempre estarão sujeitos a faíscas e estouros, mas quando ocorrer uma descarga de maior voltagem, o estrago será maior. É isso que está acontecendo na vida das pessoas, das famílias, das organizações e dos governos. É preciso força para enfrentar e coragem para ir desfazendo essa fiação mal construída. Mas se nada for feito, o perigo de grande explosão aumentará.

O relacionamento entre as pessoas se tornou superficial porque falta autenticidade nas palavras. Um tagarelar vazio ditado pelos costumes sociais em que as pessoas vão falando qualquer coisa formada no cérebro sem que isso esteja de acordo com a sua vontade interior; palavras destinadas a bajular, enganar, e de desconfiança. Não se constroem pontes nem vínculos, apenas pode surgir uma sensação desgastante dessas conversas vazias. Em contraste, palavras ditadas pela amizade e consideração são doadoras e fortalecedoras, indispensáveis ao bom entrosamento e realizações construtivas.

Há muitos debates em torno do tamanho do Estado, mas quanto mais este aumenta, mais improdutivo se torna, pois ali se reúnem indivíduos que querem o poder e as benesses, mas poucos estão dispostos a contribuir para o bem geral. Como não conseguem espaço na iniciativa privada, correm para se abrigar no cobertor do Estado, manipulando a boa-fé da população. Faltam estadistas sérios. Faltam oportunidades e postos de trabalho.

Há milênios a humanidade tem seguido por caminhos errados em vez de buscar o aprimoramento da espécie e o viver pacífico. Com pessoas de bem, conscientes de sua responsabilidade de promover a continuada melhora das condições gerais para que o viver na Terra seja profícuo e proveitoso, em paz e felicidade, não haveria a necessidade do agigantamento do Estado. Ainda não foi encontrada a maneira equilibrada de gerir o dinheiro e o controle das contas públicas. É tudo festa até chegar o estouro de Caixa inviabilizando a construção do futuro neste mundo onde pouca atenção foi dada ao desenvolvimento de condições que possibilitem a melhoria continuada da qualidade humana.


Nota do Editor: Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola - o manuscrito que abalou o mundo”, “2012... e depois?”, “Desenvolvimento Humano”, “O Homem Sábio e os Jovens”, “A trajetória do ser humano na Terra - em busca da verdade e da felicidade” e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida” (Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
26/10/2020 - 06h17 Viver perigosamente
26/10/2020 - 06h13 A natureza e o trabalho
25/10/2020 - 07h02 As eleições e os candidatos fake
25/10/2020 - 06h58 Nova configuração de festas infantis
24/10/2020 - 06h57 Cidades inteligentes e cidadãos inteligentes
24/10/2020 - 06h53 Ciência: legado inexorável da pandemia
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2020, UbaWeb. Direitos Reservados.