04/07/2022  23h57
· Guia 2022     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
23/05/2022 - 06h24
Eleições à vista
Benedicto Ismael Camargo Dutra
 

Eleições e lutas pelo poder à vista. Não podemos retroceder à velha república das bananas criada em 1889. Novamente estamos vivendo um complicado período eleitoral emotivo, com ataques sem objetividade nem clareza. Vale tudo pela conquista do palácio de Brasília. Os rumos do Brasil são confusos devido à falta de um querer coeso pelo bem da nação. Não há uma visão de futuro próspero e independente, e falta bom preparo da população para a vida.

Acontecimentos mundiais em aceleração tumultuam a economia e finanças. Seriam apenas consequências de decisões atabalhoadas que agora recaem sobre a sociedade, ou sinais de uma surda guerra econômica que vai minando o dinamismo da economia mundial, emperrando o consumo e a produção? Um emaranhado monetário e cambial gerado pela cobiça, que agora está enfrentando as tormentas geradas ao longo dos milênios.

Numa guerra como a da Ucrânia não se sabe qual será a tendência e quais os interesses envolvidos. Blocos de países atuam de forma indireta. A China parece preocupada com o golpe no comércio globalizado, pois quer continuar produzindo, exportando e ampliando sua reserva, e na medida em que a guerra avança vai afetando a sua economia. Até onde isso poderá ir para que não caia numa situação inimaginável, que no dizer do presidente Xi Jinping pode e deve ser evitada.

O mundo passa por uma guerra dramática e perigosa: a guerra monetária e cambial, pois envolve poderosos interesses e o poder de criar dinheiro aceito por todos. É um sistema bem engendrado que envolve a confiança e a crença no dinheiro garantido por governos e armas. Mesmo assim, crises foram inevitáveis, por falta ou por excesso de dinheiro. Guerras econômicas, financeiras, cambiais, ou seja, o uso e abuso geopolítico do dinheiro. Estão presentes agora, no cenário econômico, as incoerências do sistema. Como saná-las de forma que o mundo possa viver em paz e progresso?

Como a globalização econômica poderia estar separada do poder? O que aconteceria se os juros do FED tendessem para 4% a 5%? O dinheiro se posicionou como fonte de poder, acima da economia da produção, consumo e administração dos recursos disponíveis para atendimento das necessidades dos seres humanos sem a miséria das massas que tem sido permanente, impondo ambiente propício à jogatina que se tornou mais importante do que as necessidades da sociedade, gerando desabastecimento e caos. O que se pode esperar disso e como estabelecer uma trajetória menos conflitante?

Educar tem início na responsabilidade com a procriação. Pais e mães têm o dever de dar bom preparo para os filhos gerados. A mídia também tem sua parcela nesse alvo. A escola mais ainda, pois ela existe para formar gerações aptas para responder pelo futuro, para não cairmos na vala comum da renhida luta pela sobrevivência, na vida vazia de sentido sem consideração pelos outros, sem o mútuo apoio para a evolução humana e melhora das condições gerais de vida. A mulher que é mãe tem nas mãos o futuro da humanidade pela espécie de filhos que atrai e pela boa qualidade do preparo para a vida que lhes concede.

Ao ler livros inspiradores sobre a vida, os jovens se tornarão fortes para dar sua contribuição para a melhoria geral. A vida é regida pelas leis universais da Criação. Conhecendo-as e respeitando-as, tudo dará certo. As mães devem ser severas com seus filhos exigindo uma retribuição por tudo o que recebem, pois só assim eles aprenderão a dar valor ao que têm e a se esforçar para alcançar seus objetivos com garra, discernimento e bom senso intuitivo. Para Abdruschin, autor de Na Luz da Verdade Mensagem do Graal, “um presentear unilateral, porém, sem exigir retribuição, só traz, de acordo com as leis da Criação, paralisações e distúrbios, conforme se evidencia em tudo, inclusive no corpo terreno.”


Nota do Editor: Benedicto Ismael Camargo Dutra, graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
04/07/2022 - 06h23 As desconstrutivas campanhas eleitorais
03/07/2022 - 06h17 Nenhuma tendência é destino
03/07/2022 - 06h14 Precisamos falar sobre suicídio infantil
02/07/2022 - 06h35 Celular, atenção e filhos: tchau pai, tchau mãe
01/07/2022 - 06h23 O multiverso, a educação e o trabalho
30/06/2022 - 06h42 Pedra na água, hora de rever caminhos
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2022, UbaWeb. Direitos Reservados.