10/12/2022  06h37
· Guia 2022     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
04/10/2022 - 06h33
Hermínia Mattos
Maria Angélica de Moura Miranda
 
Arquivo 

Hermínia Puertas era a filha mais velha entre as meninas de uma família de vinte irmãos, os pais Joaquim Puertas e Josefa Guerra moraram em Poá na grande São Paulo. Ele que fazia os partos da Josefa, com isso, ainda menina já ajudava o pai no momento do nascimento dos irmãos, ela limpava todo o quarto e preparava uma canja bem forte para a mãe se recuperar.

Apesar das dificuldades por causa da quantidade de filhos para cuidar, mandar para escola e alimentar, todos foram alfabetizados.

Quando era solteira trabalhava nas tecelagens Matarazzo junto com outros irmãos, era tecelã.

Casou-se com Diógenes Paraíso de Mattos com quem teve 4 filhos, Diógenes, Ernestina, Dirceu e Hamilton, sempre ajudou o marido trabalhando com costura, montava camisas para as fábricas ou sapatilhas de napa, que vendia nas lojas.

Em 1947 Joaquim e Josepha Puertas mudaram para o Bairro de São Francisco em São Sebastião, com os filhos pequenos.

Anos depois após o casamento dos filhos e a aposentadoria do Diógenes, Hermínia mudava para São Sebastião, em uma casa construída na Rua Joaquim Puertas, que foi aberta nas terras onde foi o sítio da família.

Neste local viveu ainda muitos anos e recebia os filhos e netos. Sua casa estava sempre aberta para quem a procurasse. Era muito carinhosa com as crianças e de formação religiosa fazia benzimentos e rezas em crianças e adultos.

Cozinhava muito bem e na sua casa tinha um verdadeiro pomar com frutas diversas, fazia doces deliciosos, criava galinhas, papagaio e ela e o Diógenes foram sempre muito queridos pela família e pelos vizinhos.

Todos os sobrinhos puderam desfrutar da companhia da Tia Mina, como era conhecida e certa vez ela me mostrou um livro de benzimentos e rezas que ela estudava para fazer seus benzimentos.

Costumava elogiar a força e a inteligência dos seus pais, que analfabetos e com tantos filhos, ainda conseguiram deixar herança para os netos e bisnetos.

Hermínia faleceu aos 82 anos, vítima de câncer.

Hermínia Mattos *12/04/1926 +01/12/2008


Nota do Editor: Maria Angélica de Moura Miranda é jornalista, foi Diretora do Jornal "O CANAL" de 1986 à 1996, quando também fazia reportagens para jornais do Vale do Paraíba. Escritora e pesquisadora de literatura do Litoral Norte, realiza desde 1993 o "Encontro Regional de Autores".
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
08/12/2022 - 05h29 O Quilombo Serra do Talhado
07/12/2022 - 06h07 Amar sem esquecer do romantismo
06/12/2022 - 05h50 Competência e humildade
30/11/2022 - 05h14 Ideal é poder viver agradavelmente
29/11/2022 - 05h32 A bota de Maria
28/11/2022 - 06h20 Uma leitura que me marcou
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2022, UbaWeb. Direitos Reservados.