21/09/2019  21h10
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Medicina e Saúde
30/10/2005 - 07h00
Propriedades nutricionais do mamão papaia
 
 

O mamão é utilizado como diurético, age como antiinflamatório, combate diabetes, gota, ulcera péptica. Também é regularizador intestinal, ajuda na anemia, resfriados, feridas e dores e ainda tem grande poder laxativo. Tem uso na dietoterapia como: coadjuvante no tratamento da acne, cálculos, calos, prevenção do câncer, diminuição do colesterol, colite, efeito digestivo, efeito antiflatulento, Tonico dos nervos, constipação intestinal, parasitose intestinal, pele, tosse, ulcera gástrica e até mesmo nas verrugas tem um bom resultado. Para melhora da gastrite se indica engolir as sementes do mamão junto com a fruta, tendo o cuidado de não romper a película que envolve as sementes, porque se isto ocorrer o sabor fica amargo. Para a constipação severa se utiliza além do mamão, uma vitamina batida com ameixa preta e suco de laranja, o efeito é excelente.

Papaia contra o mal de Parkinson - Como o papa João Paulo II gostava de comer mamão papaia no desjejum, aceitou tomar um remédio experimental: um extrato fermentado de papaia, para amenizar os sintomas do mal de Parkinson. Quem convenceu o pontífice a usar o elixir foi o virologista francês Luc Montagnier, um dos descobridores do vírus da Aids. O médico sustenta que o extrato de papaia combate a degeneração neurológica causada pela moléstia, que provoca tremores nas mãos.

Trabalhos de pesquisa

Látex de fruto existente no Chile contém substâncias curativas para diferentes tipos de feridas da pele. Recentemente, o pesquisador Carlos Edmundo Salas Bravo, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), teve, no Chile, mais uma prova de que está no caminho certo em suas pesquisas com a planta Carica candamarcensis, uma espécie de mamoeiro nativo da costa oeste da América do Sul. Ele acompanhou os resultados de uma pomada feita com o látex do pequeno mamão que cicatrizou a pele queimada de uma paciente diabética chilena que já havia tentado sem sucesso todos os tratamentos convencionais. Salas, chileno de nascimento, começou a pesquisar as propriedades cicatrizantes da planta. Os pesquisadores entraram em 2002 com um pedido de registro de patente nos Estados Unidos das propriedades terapêuticas das substâncias existentes no látex do mamoeiro. Os princípios ativos da planta estão em algumas proteases, um tipo de proteína que tem a função de quebrar outras proteínas com o objetivo de ativá-las ou desativá-las, favorecendo, nesses casos, os mecanismos de proliferação celular. O produto já foi testado em animais. Agora os pesquisadores esperam que alguma instituição ou empresa farmacêutica se interesse pela patente e em aplicar os testes em humanos. Os estudos mostram que as substâncias encontradas no látex do fruto da C. candamarcensis têm potencial de cura para diferentes tipos de feridas cutâneas e podem ser extremamente eficazes nas crônicas ou de difícil cicatrização, como aquelas comuns em portadores de diabetes, escaras (feridas que aparecem em pacientes que permanecem acamados ou na mesma posição por longos períodos) e as provocadas por queimaduras.

Lesões gástricas - As proteases também foram testadas em lesões gástricas e demonstraram mais eficácia contra as úlceras do que o Omeprazol e a Ranitidina, medicamentos utilizados para tratamento desse problema e das gastrites. Nas feridas da pele, os estudos foram feitos em camundongos Hairless (sem pêlos), e nos ferimentos gástricos, os ensaios foram feitos com ratos. Em humanos, por enquanto, os testes são isolados, e realizados apenas em casos como o da chilena que autorizou o uso da substância em suas feridas. O interesse pelo alto teor de proteases presentes no látex de C. candamarcensis fez Salas, com doutorado em Bioquímica pelas Universidades do Chile e de Michigan, nos Estados Unidos, iniciar os estudos com o fruto em 1988. A presença dessas substâncias no mamão - conhecido como papaya no Chile - impede o consumo in natura como o do nosso papaia (Carica papaya) e o torna indigesto se não for cozido. Na continuação dos estudos, em 1991, na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), Salas conheceu a biomédica Míriam Lopes, professora no Laboratório de Oncologia Experimental que se dedicava às pesquisas na área de desenvolvimento celular, em especial na proliferação de células tumorais. Eles acabaram se casando e, em 1992, transferiram-se para a UFMG, em Belo Horizonte, onde são professores do Instituto de Ciências Biológicas (ICB). Com o desenvolvimento dos estudos com as proteases, os pesquisadores passaram a estudar a ação do látex do C. candamarcensis em feridas de animais, iniciando os ensaios em camundongos. Foi observado como as enzimas agiam sobre as células de mamíferos porque já tínhamos observado a coagulação que ocorre no fruto quando ele sofre um dano.

Nos cerca de 50 camundongos com ferimentos na pele, eles observaram que frações desse látex promoviam a cicatrização e incentivavam a divisão celular nas regiões vizinhas não atingidas pela ferida, além de promover a limpeza do tecido lesionado. Os pesquisadores já haviam verificado em experimentos laboratoriais que as substâncias presentes no látex estimulam a proliferação de fibroblastos (tecido mais profundo da pele) e de células epiteliais (mais superficiais), fundamentais no processo de cicatrização. Os pesquisadores explicam que o processo de cicatrização de um ferimento ocorre quando o tecido atingido é substituído por outro. Parece simples, mas só as pessoas portadoras de feridas crônicas ou de difícil cicatrização sabem o sacrifício a que são submetidas. Normalmente, as substâncias cicatrizantes atuam na limpeza do ferimento, favorecendo o trabalho de reprodução de novas células pelo próprio organismo, que nem sempre consegue fazê-lo. No caso da cicatrização com a protease da C. candamarcensis , o processo é mais rápido que o convencional, mas o mais importante é a boa qualidade da reconstrução do tecido lesionado.

Estudo toxicológico - A pesquisa foi feita quase sem apoio financeiro de agências de fomento à pesquisa científica. "Estamos levando este projeto na velocidade em que temos condições. Na fase inicial, entre 1994 e 1996, tivemos apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Grande parte do projeto foi realizada com recursos existentes nos laboratórios da UFMG", explica Míriam. Além de Schnaiderman, o parceiro chileno, há outro trabalhando na Espanha. O pesquisador Arturo Anadón, da Universidade Complutense de Madri, está realizando estudos toxicológicos em animais.

A expectativa de produção do medicamento no Brasil esbarra na dificuldade de cultivo da planta, que não é típica do clima brasileiro. A solução seria encontrar um microclima adequado ao cultivo da C. candamarcensis ou produzir a substância em laboratório, por meio da clonagem e expressão da protease em bactérias. Os pesquisadores estão agora na expectativa de dar continuidade ao trabalho, especialmente a realização dos testes clínicos, em humanos.

Foi publicado trabalho recente sobre a ação de um gel de papaína para ser colocado sobre cáries dentárias, que após alguns minutos, amolecem a área doente do dente, facilitando a remoção do material comprometido com uma simples raspagem local, evitando desta maneira o assustador barulho e a dor da broca do motor do dentista.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "MEDICINA E SAÚDE"Índice das publicações sobre "MEDICINA E SAÚDE"
21/09/2019 - 06h54 Conheça 8 exames que detectam infertilidade
20/09/2019 - 06h46 Asma: como tratar e prevenir
19/09/2019 - 07h17 Conheça cinco doenças que se manifestam pela boca
15/09/2019 - 05h50 Recusa para doação de órgãos tem alto índice
13/09/2019 - 06h13 Brasil tem a maior taxa de ansiedade do mundo
09/09/2019 - 07h31 Sexo na gravidez está liberado?
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.