16/07/2018  13h35
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Carlos Rizzo
10/11/2004 - 08h16
Biorritmo: breve teoria para uma boa prática
 
 

A pesquisa sobre os ritmos do corpo humano sempre mereceu especial atenção. É a partir dela que muitas das atividades físicas são explicadas. Não podemos negar a existência de relógios biológicos, basta lembrar o nosso ciclo de atividade acordados e atividade dormindo. Há anos que a Faculdade de Medicina da USP pesquisa os fatores genéticos que regulam os ritmos circasseptanos (ciclos de sete dias) no homem e a conseqüente explicação para tendências de rejeição a tratamentos medicamentosos em órgãos e dias específicos. Os ciclos circasseptanos explicam inclusive a origem biológica da semana de sete dias. Claro que há alguma relutância da comunidade cientifica quanto a veracidade das constatações dos ritmos de sete dias, vale lembrar que nos anos 50 houve a mesma relutância quanto aos ciclos circadianos (de um dia) hoje plenamente confirmados.

Existe e sempre existirá um descompasso entre o esoterismo e a ciência oficial e enquanto não temos a confirmação oficial daquilo que comprovamos no dia-a-dia somos obrigado a dividir a nossa crença com o ceticismo e a descrença.

Por isso a teoria do biorritmo ainda enfrenta algumas objeções já que se baseia em ciclos de 23, 28 e 33 dias, o que não impede que ela se apresente como uma ótima ferramenta a nos auxiliar na escolha e explicação para as dificuldades do cotidiano.

Inicialmente no ano de 1887, o Dr Wilhelm Fleiss, de Berlim, identificou dois ciclos que, segundo seus estudos, afetariam todos os seres humanos desde seu nascimento: o ciclo físico (f) e o ciclo emocional (e). Coube ao também doutor Alfred Teltscher identificar o ciclo intelectual (i), em estudo semelhante, completando assim o que se conhece hoje como o "Biorritmo".

Segundo os teóricos do "Biorritmo", os ciclos físico, emocional e intelectual passam por períodos de carga e descarga. Nos períodos de carga, quando o gráfico da função correspondente encontra-se abaixo do eixo das abcissas, considera-se que as respectivas habilidades estão em baixa.

Quando o gráfico da função se encontra acima do eixo das abcissas, temos os períodos de descarga; nesses momentos as habilidades correspondentes estão em alta.

Considera-se que os dias nos quais o gráfico de uma função cruza o eixo das abcissas são de precaução, pois a habilidade correspondente encontra-se nula. No entanto, mesmo entre os teóricos do "Biorritmo" existe uma controvérsia acerca dos dias de precaução.

Alguns estudos nomeiam estas fases como positiva e negativa é fundamental que se considere que o positivo no caso não é o bem nem o negativo é o mal. O ritmo das curvas deve ser visto como auge e declínio da mesma força, da mesma energia.

Continuamos a mesma pessoa em essência, mas somos e agimos de um jeito durante o dia e diferente durante a noite. Ao dia nossas atividades físicas, intelectuais e emocionais estão prontas para a ação e plenas na manifestação. À noite temos as mesmas potencialidades só que manifestadas em menor intensidade. É exatamente assim que devemos ver o ritmo das curvas dentro de um gráfico de biorritmo e a grande vantagem é que um gráfico pode nos auxiliar a tomar atitudes ou a aguardar o melhor momento para a ação.

Se considerarmos que o máximo do declínio de uma curva pode ser o começo da ascendência e o máximo de um auge o começo de uma descendência cabe a nós decidir onde estaremos gastando mais ou menos energia, onde estaremos colocando maior ou menor empenho.

Transformar este movimento cíclico em algo produtivo dependerá da nossa habilidade em nos armazenar com as conquistas propiciadas nos momento positivos na certeza que deveremos enfrentar os conseqüentes momentos negativos.

Do mesmo jeito que as dificuldades encontradas na vivência dos momentos negativos deverão ser identificadas para melhor entendimento e solução nos momentos positivos que fatalmente deverão advir.

CicloDuraçãoTem correspondência com ...
Físico23 dias

Fase positiva - Força física, disposição, coordenação motora, vontade, resistência às doenças e às dores.
Fase negativa - Debilidade física, sonolência, baixa resistência a dores e doenças, falta de vontade e determinação.

Emocional28 dias

Fase positiva - Criatividade, estabilidade mental, humores, sensibilidade emocional, disposição a novos contatos.
Fase negativa - Dificuldade de ordenar os pensamentos, irritabilidade, falta de paciência.

Intelectual33 dias

Fase positiva - Habilidade para aprender, pensamento analítico, lógica, memória, segurança na tomada de decisões.
Fase negativa - Indisposição ao raciocínio, preguiça mental, lapsos de memória, insegurança nas decisões, propensão a enganos.

Por fim, fazer uma analogia com a astrologia revela-se produtiva se considerarmos que os ciclos em dias do biorritmo nada mais são que a micro expressão dos ciclos maiores das revoluções dos planetas solares.

Estabelecendo para o ciclo físico de 23 dias a analogia com o planeta Marte, a regência (ou melhor expressão da energia) no signo de Áries na sua fase positiva e seu exílio (ou o declínio da sua expressão) no signo de Libra.

O ciclo emocional de 28 dias para o planeta Júpiter a regência ou fase positiva no signo de Sagitário, ou o exílio e sua fase negativa no signo de Gêmeos.

O ciclo intelectual de 33 dias para o planeta Saturno quando na regência no signo de Capricórnio e sua fase positiva, ou seu exílio e fase negativa no signo de Câncer.

Concluindo, devemos lembrar que antes de tomarmos uma seqüência gráfica como determinante do nosso destino, devemos lembrar que fundamentalmente elas são diretrizes, indicadores do rumo que estamos sendo conduzidos. A maneira de trilhar e todo o desenvolvimento e conseqüências dessa atitude é o que determina a nossa felicidade e realização.

Quer saber como está o seu biorritmo para hoje? Clique aqui!


Nota do Editor: Carlos Augusto Rizzo mora em Ubatuba desde 1980, sendo marceneiro e escritor. Como escritor, publicou "Vocabulário Tupi-guarani", "O Falar Caiçara" em parceria com João Barreto e "Checklist to Birdwatching". Montou uma pequena editora que vem publicando suas obras e as de outros autores.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
16/07/2018 - 05h40 Diálogo inter-religioso
16/07/2018 - 05h36 A reforma da polícia paulista
15/07/2018 - 07h57 Os plenários e a realidade
15/07/2018 - 07h53 Dois anos da tentativa de golpe na Turquia
14/07/2018 - 08h17 A crise e as ilhas da fantasia
14/07/2018 - 08h13 Empresas vivendo menos, pessoas vivendo mais
ÚLTIMAS DA COLUNA "CARLOS RIZZO"Índice da coluna "Carlos Rizzo"
12/01/2009 - 11h01 Curso de observação de aves a distância
10/01/2009 - 08h14 Ainda 2008
29/12/2008 - 14h17 Aves de Ubatuba em destaque
27/12/2008 - 09h27 Lançamento de mini-guia das aves
25/12/2008 - 09h00 Do gugu-dada a Pavarotti
23/12/2008 - 14h37 Cadê a vaca?






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.