18/07/2019  11h58
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Eduardo Souza
05/06/2012 - 09h00
História em quadrinhos
 
 

Um e-mail que recebi há algum tempo continha no anexo uma história em quadrinhos engraçada e, simultaneamente, profunda sob o aspecto espiritual. Lembrei-me dela estando a conversar com algumas pessoas na sala de espera do Hospital São Francisco de Assis, em Jacareí. Vamos à historinha.

No primeiro quadrinho, uma paisagem desértica e uma enorme fila de pessoas que caminham vagarosamente. Cada uma delas tem sobre os ombros o peso de uma enorme cruz de madeira. Seguem em fila indiana, arrastando aquele peso. No segundo quadrinho, surge o final da fila onde um sujeitinho, incomodado com a carga sobre os ombros, resolve aliviar um pouco o peso: corta um pedaço da madeira da cruz. Mais adiante, corta outro pedaço. E assim segue ele o cortejo, cortando pedaços da cruz que carrega, e com um sorriso nos lábios. Agora a cruz dele ficou pequena e leve. Ele é todo sorriso. O desfecho, no último quadrinho, mostra um desfiladeiro, um abismo em que os caminhantes, para poder transpô-lo, têm de usar a cruz que carregam como ponte, estendida entre uma margem e outra do abismo. Quando chega a vez do nosso esperto personagem é que a porca torce o rabo. O toquinho de cruz que ele carrega não lhe permite estendê-la sobre o abismo, ficou curta demais, e ele fica do lado de cá a assistir os caminhantes, do outro lado do desfiladeiro, seguirem adiante, em fila, carregando suas pesadas cruzes. A historinha termina aqui.

Para quem é cristão, a moral da história é óbvia, para os que não são, a historinha fica adstrita somente ao humor. Cada qual carregar a cruz que lhe é dada, resignadamente. No cristianismo há uma promessa de recompensa por tal atitude. Não neste mundo, neste vale de lágrimas, mas em outro. A fé faz suportar o peso sobre os ombros e seguir adiante. A cruz é uma contradição, como muitas coisas que há no cristianismo, ela é, ao mesmo tempo, a dor, o sofrimento e o ato máximo de amor, uma resposta definitiva para o sentido da vida. A vida tem sentido e, como todas as coisas, o sentido, necessariamente, tem de estar fora, além delas. A sala de espera do hospital em que eu conversava sobre esse assunto era a de oncologia, e todos ali carregavam suas imensas cruzes, e muitos deles sorriam.


Nota do Editor: Eduardo Antonio de Souza Netto [1952 - 2012], caiçara, prosador (nas horas vácuas) de Ubatuba, para Ubatuba et orbi.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
18/07/2019 - 06h56 A Barraca do Samba em Ilhabela
17/07/2019 - 06h46 A beleza da arte
16/07/2019 - 07h22 Comunicado de recall - Penicos Jato Certo
16/07/2019 - 07h17 O certo, o errado e o menos duvidoso
15/07/2019 - 06h42 A cidade caminhava devagar
14/07/2019 - 06h57 Amendoim torradinho
ÚLTIMAS DA COLUNA "EDUARDO SOUZA"Índice da coluna "Eduardo Souza"
04/10/2012 - 19h00 Nota de agradecimento
07/06/2012 - 08h02 Sobre a defecação das aves e outras considerações
30/05/2012 - 08h01 `Capitão Deolindo´ - o nosso ginásio
25/05/2012 - 10h08 Morro da Prainha
09/05/2012 - 10h01 Eu?... Passarinho!
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.