15/05/2021  07h54
· Guia 2021     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Mateus Modesto
18/12/2008 - 12h11
Incongruência
 
 

Ser paciente só quando no médico. Alguém já deve ter pensado assim. Nos dias atuais de hoje, seja no cotidiano ou no dia-a-dia, a paciência se tornou um dom. Um privilégio de poucos. Daqueles que estão conscientes de que o grito vale mesmo apenas na hora do gol.

Valdenilson é um tipo de rapaz totalmente diferente. Não somente pelo bigode extravagante, mas pelo adorno facial e pela calmaria que lhe é inerente. A rigidez de sua testa e a voz mansa confunde as pessoas. “Um homem deste tamanho, parece um touro. No entanto, fala como uma criança”. Ninguém ousa expor esse pensamento – sabe lá como ele reagiria.

Maria Bartira, sua noiva, é totalmente o oposto. Rosto angelical, voz de menina humilde, mas paciência inexistente. Agrada-lhe estar com Val. Contudo, atraso nem de salário. E ele sabia disso. Mas tudo tem sua primeira vez.

Era uma sexta-feira de dezembro. Verão dando sinais de vida. A praia seria o local de descanso. Barty estava produzida para o seu amor: o sol. Besuntada até os cabelos com protetor, esperava Val chegar antecipadamente antes do horário. O que não aconteceu.

A raiva tomava-lhe. Suas narinas, como de dragão, queimavam a sutileza. Suas mãos, o carinho. Findava-se a delicadeza, surgiam os pensamentos de ingratidão e rejeição.

- Ah! Deixa chegar... Quando ele aparecer... Não queria estar na pele dele... O que ele pensa que sou? Não tenho nada mais para fazer?

O tempo passou. Val não chegou. Seu temperamento mudou. Preocupada ficou. A mão coçou, mas não ligou. Quase desmaiou.

- Sim?

Sentou-se.

- Val estava indo para sua casa e... alta velocidade... queria chegar no horário, só... havia um caminhão...

O telefone caiu de sua mão. Começou a chorar. “Por quê? Por que ele?”.

Lá embaixo, uma buzina arrojada. Era o Fusca de Val. Ela não acredita. Da sacada, observa-o. Desce às pressas. Pelas escadas. Do sétimo andar. Atravessa a rua sem olhar para os lados. Pula em seus braços e beija-o, dizendo que o amava. Ele fica assustado. E alegre.

- ...então, ele vai chegar atrasado. Os agentes de trânsito bloquearam todo o local. Desculpa estar falando assim, mas é que... você é impaciente... tive medo de você... sei lá. Matá-lo! Maria? Alô? Alô?


Nota do Editor: Mateus dos Santos Modesto é jornalista. Veja também em www.mateusmodesto.com.br.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
14/05/2021 - 06h08 No banco da praça
13/05/2021 - 05h13 O primeiro beijo
12/05/2021 - 06h16 A serenidade do amor materno
11/05/2021 - 05h46 Mais pedaladas de avós
10/05/2021 - 07h40 Divina confirmação
09/05/2021 - 06h26 Álgebra
ÚLTIMAS DA COLUNA "MATEUS MODESTO"Índice da coluna "Mateus Modesto"
02/03/2014 - 10h00 Tarde na roça
02/02/2014 - 08h00 O amor
29/04/2009 - 07h01 Noite inesquecível
16/01/2009 - 13h09 A Velha
09/01/2009 - 07h11 Carta de despedida
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2021, UbaWeb. Direitos Reservados.