15/05/2021  09h21
· Guia 2021     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Mateus Modesto
02/03/2014 - 10h00
Tarde na roça
 
 

Sentado num banquinho, sem camisa, estava esperando o tempo passar. Na frente da casa, mastigava alguma coisa que o distraía. Coçava a cabeça suja e branca, quando descoberta do chapéu.

O sol já ia, mas o calor continuava. Sentado, com uma calça maltratada pelo tempo, mais que o seu rosto pelo sol, e com umas alpargatas pretas, iguais a seus pés, ele acompanhava o vôo dos pássaros, a caminhada das formigas, o sono do cachorro. Assim como o cão não se incomodava com as moscas pousando nas feridas dele, o bom senhor não se importava com o fedor de fumo que estava impregnado em seu corpo, fruto do trabalho com a planta e do bode que acabara de acender.

“Seu José”, dizia o moço que passava. A resposta era um levantar de braços. “Seu José”, dizia a senhora cheia de sacos. Outra vez o levantar de braço. “Tarde, cumpade”. Seu José agora insinuava levantar da cadeira, mas não insistiu no cumprimento.

– Vamo chegando, vamo chegando, Zequias. Maria, me traz um banquinho pro cumpade, pra mode nós prosear...

E ali permaneceram. A conversa, de poucas palavras, mas longa, ficou restrita somente no trabalho na roça, no casamento da filha de Seu Zequias e do tempo quente, sem chuva, dos últimos dias.

Maria trouxe um café para acompanhar a conversa. Em duas canecas sem asa, rachadas, Maria despejava a bebida feita naquele instante. Zequias agradeceu e teceu elogios à senhora:

– Gostoso...
– Isso porque ocê num provô o bolo de fubá... Uma delícia! – dizia Seu José, todo orgulhoso. Minha senhora é muito prendada. Tem mãos maraviiosas...

Maria dava um sorriso sem dentes. Resolveu ficar por ali também, mas sentada no chão, na porta, tangendo o cachorro que dormia em sua entrada e caçando um pedacinho de pau ou talo de planta para ocupar a boca.

Seu Zequias só demorou o tempo do cafezinho. Ele ainda ia seguir longe, caminhar um bocado. Quando se fora, Seu José ficou só. Ninguém passava. Só o tempo. E nessa, o sol deu lugar à lua. Assim como o caminhar das formigas dera lugar ao canto das cigarras, e o silêncio dera vez ao som da televisão.


Nota do Editor: Mateus dos Santos Modesto é jornalista. Veja também em www.mateusmodesto.com.br.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CONTOS"Índice das publicações sobre "CONTOS"
02/07/2020 - 06h50 Sem sono
16/06/2020 - 06h36 Sem rumo
11/12/2016 - 05h52 A despedida
20/08/2016 - 05h52 A bruxa e o hipocondríaco
11/02/2016 - 10h03 Sabe o André?
23/11/2015 - 10h08 O certinho
ÚLTIMAS DA COLUNA "MATEUS MODESTO"Índice da coluna "Mateus Modesto"
02/02/2014 - 08h00 O amor
29/04/2009 - 07h01 Noite inesquecível
16/01/2009 - 13h09 A Velha
09/01/2009 - 07h11 Carta de despedida
18/12/2008 - 12h11 Incongruência
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2021, UbaWeb. Direitos Reservados.