21/08/2019  01h48
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Mariza Taguada
07/12/2010 - 12h01
‘Os irmãozinhos’
 
 

Participar de uma tradição viva como a Folia de Reis tem sido um momento de sublime alegria na minha vida.

Todo ano a Companhia de Reis O Guaruçá, seguindo as tradições, reveste-se, com toda reverência, do mais puro espírito cristão para reviver a chegada de Cristo na Terra. Um momento de confraternização entre amigos e família onde acontecem muitas histórias como essa que vou contar.

Dois de dezembro, na casa do Luiz, aniversário regado há muitas lembranças da infância, muitas risadas e um causo para a posteridade.

Nossa folia tem a bandeira, o palhaço, as pastorinhas de lenço na cabeça e os tocadores. Como é o costume, a folia chegou cantando na porta da casa. Os donos da casa nos receberam e nos convidaram para entrar.

Mal entramos na casa e bateram na porta. O Luiz atendeu e ouvimos uma voz dizendo:

- “Soy” chileno e a mi me “gusta” a cultura de “usteds”, posso ver?

Luiz abriu a porta e a pessoa entrou. Dois segundos depois, batidas na porta: era o amigo “brasileño” que chegava. Os dois já estavam visivelmente alcoolizados e aplaudiam tudo com muito entusiasmo.

No final da cantoria o chileno veio em minha direção com a mão estendida e com a palma para cima. Foi aproximando-se e falando em portunhol:

- Porque mi vida está mucho complicada... e coisas assim.

Eu, sem entender e vendo aquela mão estendida, dei minha mão e cumprimentei-o:

- Boa noite, muito prazer, disse-lhe.

- No, no... “quiero” que você leia a minha mão, retrucou ele.

Foi uma risada só pois percebemos que ele pensou que eu fosse uma cigana, provavelmente por causa do lenço da cabeça. Explicamos o que era uma folia de reis e logo eles foram embora.

Lembrei de papai que gostava de tomar umas e outras e que, se ouvisse essa história, com certeza diria:

- Ah!!! Eram os irmãozinhos!


Nota do Editor: Mariza Taguada, professora de profissão e artista de coração, é paulistana e moradora de Ubatuba (SP) desde os velhos tempos.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
20/08/2019 - 05h05 Até quando o horror contra a mulher?
19/08/2019 - 06h27 Engenho da marvada
18/08/2019 - 07h42 Vício arretado
18/08/2019 - 07h38 Contra pesos, contra medidas e poucas saídas!
16/08/2019 - 07h33 Flor de plástico
15/08/2019 - 07h51 Um sacrifício que não vale a pena
ÚLTIMAS DA COLUNA "MARIZA TAGUADA"Índice da coluna "Mariza Taguada"
24/04/2011 - 12h00 A Páscoa e a esperança
01/02/2011 - 15h01 Cem por cento ‘poliéster’!
04/07/2010 - 10h00 Em tempo: Festa de São Pedro
19/06/2010 - 08h33 O justo valor
13/05/2010 - 13h13 Um lindo filme
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.