21/08/2019  02h31
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Mariza Taguada
01/02/2011 - 15h01
Cem por cento ‘poliéster’!
 
 

Depois de muito protelar, muito resistir, outro dia comprei uma blusa totalmente de plástico, de petróleo, de poliéster. Logo eu que sou filha e neta do algodão e bisneta das fibras naturais!

Confesso: fui vencida pelo “todo mundo usa” e por constatar que em toda loja popular “só tem isso”. Basta ver a expressão de espanto das vendedoras quando pergunto:

- Tem blusinhas destas (de poliéster) só que de algodão?

Pois é como se perguntasse:

- Você viu um marciano hoje? (!!!!!!!!)

Tudo bem... comprei agora vou experimentar! E comecei a usar as blusas (comprei várias... tão baratinhas!).

Ao bem da verdade devo dizer que são lindas as cores, as estampas e vestem bem. Não vou negar que esteticamente gostei!

O único “probleminha” é que onde tem poliéster o corpo não respira! Para a inteligência autônoma do corpo isso é um mau sinal:

- Epaaa, alguma coisa errada no órgão pele! - Grita o comandante Cerebelo lá do comando geral. - Soem as sirenes! Avisem o tenente Metabolismo para agir rápido!

É nessa hora que as partes descobertas do corpo passam a trabalhar mais, compensando a falta de respiração que aquela blusinha, tão linda e que te deixa tão bonita, está causando. Considero isso uma das causas da minha ida ao dermatologista, mas isso é outra história.

Agora pergunto: por onde anda o algodão? Aquele tecido gostoso, que abraça a pele, protegendo-a? Que encontrávamos cru, tingido, estampado? Que talvez não caísse tão bem como o de plástico, mas que dava bem-estar! Cadê nossa indústria de tecidos e roupas de algodão?Cadê?

Ahhhh! É claro! Como poderia esquecer do poder das multinacionais, dos monopólios, dos países do primeiro mundo, do capitalismo selvagem e da revolução chinesa (escravocrata e mais selvagem ainda), dos extremismos e tudo mais?

Nossa! Acho melhor procurar uma boa costureira!


Nota do Editor: Mariza Taguada, professora de profissão e artista de coração, é paulistana e moradora de Ubatuba (SP) desde os velhos tempos.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
20/08/2019 - 05h05 Até quando o horror contra a mulher?
19/08/2019 - 06h27 Engenho da marvada
18/08/2019 - 07h42 Vício arretado
18/08/2019 - 07h38 Contra pesos, contra medidas e poucas saídas!
16/08/2019 - 07h33 Flor de plástico
15/08/2019 - 07h51 Um sacrifício que não vale a pena
ÚLTIMAS DA COLUNA "MARIZA TAGUADA"Índice da coluna "Mariza Taguada"
24/04/2011 - 12h00 A Páscoa e a esperança
07/12/2010 - 12h01 ‘Os irmãozinhos’
04/07/2010 - 10h00 Em tempo: Festa de São Pedro
19/06/2010 - 08h33 O justo valor
13/05/2010 - 13h13 Um lindo filme
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.