21/09/2019  20h27
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Rui Grilo
10/01/2017 - 08h04
Quando o dia chegar
 
 

Acabei de ver este filme com um grande nó na garganta, como há muito tempo não sentia.

Baseado em fatos reais, retrata a vida de dois irmãos encaminhados a um abrigo de menores, devido a prática de pequenos delitos.

Não há como não relacioná-lo a “Minha Vida de Cachorro”, filme de 1985. Ambos tratam da relação sonho/realidade, de uma mãe doente que vem a falecer, da fixação de uma criança à corrida espacial, das consequências da orfandade e da maneira como os adultos tratam essas crianças.

Vi “Minha Vida de Cachorro” muitas vezes, sendo que a primeira foi em um curso que fiz na ECA-USP (Escola de Comunicação e Artes) sobre instituições, cultura e a criança. O que o filme apresentava era uma situação muito rosa, idílica, dos cuidados da sociedade sueca para a com a criança órfã. O propósito da sessão era refletir sobre a situação na nossa realidade brasileira. As duas realidades pareciam muito distantes.

“Quando o Dia Chegar” foi apresentado na 40ª Mostra de Cinema de São Paulo e os fatos apresentados ocorreram na década de 60 no Abrigo Godhavn, na Dinamarca, caracterizados com requintes de crueldade. Serve para nos mostrar que nem sempre a idéia que temos a respeito dos países nórdicos, sempre apresentados como sociedades altamente civilizadas, corresponde a verdade. Também não quer dizer que isso deve nos deixar mais tranquilos e conformados com a nossa realidade.

As situações apresentadas no filme vem reforçar mais ainda a necessidade e a utilidade do Estatuto da Criança e do Adolescente como instrumento de proteção contra o poder abusivo dos adultos sobre aqueles que não tem como se defender. A criação desse tipo de lei trouxe avanços consideráveis mas ainda longe de uma situação satisfatória.

Vale a pena ver e rever os dois filmes para pensarmos numa melhor interação entre adultos e crianças e na melhor forma de resolver os conflitos que surgem na socialização de seres humanos em formação.


Nota do Editor: Rui Alves Grilo é professor da rede pública de ensino desde 1971. Assessor e militante de Educação Popular.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
21/09/2019 - 06h57 Política para poucos
20/09/2019 - 06h49 Ainda sobre a morte do cangaceiro Canário
19/09/2019 - 07h20 Ainda existem as guerras
18/09/2019 - 06h19 Pode ser um esporte perigoso
17/09/2019 - 06h50 Mulher da vida
16/09/2019 - 07h09 Porão ao molho mofado
ÚLTIMAS DA COLUNA "RUI GRILO"Índice da coluna "Rui Grilo"
23/11/2017 - 06h27 Projeto de vigilância comunitária no Perequê-Açu
24/10/2017 - 06h21 Chega de cocô na praia
17/10/2017 - 07h18 Ninguém do Ipiranguinha
28/09/2017 - 06h48 Perequê-Açu, em Ubatuba, pode virar Massaguassu
18/09/2017 - 07h19 Semar constrói ilhas de calor no centro de Ubatuba
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.