26/10/2021  00h30
· Guia 2021     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Ricardo Yazigi
11/10/2005 - 09h01
Referendo: Sim, Não ou N.D.A.?
 
 

No dia do referendo não importa sua resposta que a criminalidade continuará a mesma. Os argumentos têm sido elaborados com base em estatísticas que ora favorecem um lado, ora outro, direcionadas sempre para convencer os eleitores de acordo com a conveniência.

A revista VEJA em sua última edição apresentou como capa sete razões para votar Não. Na minha franca ignorância no mínimo uma atitude tendenciosa remetendo-nos para um tempo em que as opiniões eram impostas. Não podemos aceitar que a dita imprensa livre nos conduza o pensamento, façamos uma analogia com o papel do crítico de arte. Um crítico honesto é aquele que fornece elementos suficientes para que o expectador ou leitor possa fazer seu próprio julgamento. Não podemos levar a sério críticos que apenas dizem que aquela obra é boa ou ruim sem dar as coordenadas para que possamos tirar nossas próprias conclusões. A VEJA se portou como um mau crítico expondo apenas um lado da questão para convencer seus leitores a seguirem sua opinião.

Quando me perguntam qual será meu voto no referendo respondo que será o SIM. Não por acreditar que a proibição vá reduzir a criminalidade, mas por acreditar que o mundo precisa ser desarmado, é apenas uma questão filosófica. Com o nosso atual avanço tecnológico não necessitamos mais de armas que matem, é possível utilizarmos armas que paralisem ou deixem a vítima inconsciente sem matá-la. O mundo precisa começar seu próprio desarmamento, não é mais possível continuarmos com a atual matança. Nesses últimos 5.000 anos fizemos 15.000 guerras, ou uma média de 3 guerras por ano.

A humanidade vem evoluindo muito tecnologicamente, mas não psicologicamente. É necessário que iniciemos uma revolução pela paz antes que o planeta padeça. Temos que começar por algum lugar, que tal darmos o exemplo? Não se combaterá violência com violência, mas sim com inteligência, precisamos educar o povo, dar condições dignas de trabalho e igualdade, fazer uma melhor distribuição de renda e tornar todos os cidadãos respeitáveis.

Não será um referendo que resolverá o problema da violência, mas sim nossa atitude em começar a mudar nosso decadente mundo começando pelo desarmamento de cidadãos e principalmente bandidos, será preciso muita coragem.

O dinheiro dessa despropositada campanha poderia ter sido investido na educação gerando frutos mais saborosos. Não temos outra saída, temos que começar nossa caminhada para a mudança. E uma longa caminhada começa sempre pelo primeiro passo.


Nota do Editor: Ricardo Yazigi é engenheiro civil, mestre em ciências pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
25/10/2021 - 06h09 Os escabriados
24/10/2021 - 07h07 A CPI pariu um rato
23/10/2021 - 05h31 Solidariedade, visão sistêmica e inclusão
22/10/2021 - 06h22 O risco de desabastecimento de diesel e gasolina
21/10/2021 - 05h53 Conflitos mundiais
20/10/2021 - 06h31 CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar
ÚLTIMAS DA COLUNA "RICARDO YAZIGI"Índice da coluna "Ricardo Yazigi"
20/03/2018 - 05h52 Como surgiram os buracos de Ubatuba
23/02/2018 - 07h40 Tinha um buraco no meio do caminho
01/04/2014 - 08h00 Ninguém cuida melhor de seus buracos que Ubatuba
11/03/2014 - 07h00 Bolsa Brasil
27/11/2012 - 09h12 Desplugue-se
15/11/2012 - 08h00 Pequenas empresas, péssimo negócio
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2021, UbaWeb. Direitos Reservados.