21/08/2019  02h11
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Mariza Taguada
16/10/2009 - 13h07
Vocação
 
 

Outro dia, na saga de ser passageira, tomei um ônibus cujo motorista é do tipo que dirige com raiva, que enfia o pé no acelerador, no breque, entra com tudo na curva e que trata grosseiramente os passageiros, principalmente os mais velhos. Na verdade são tantos deste tipo que fico imaginando se não recebem cursos de capacitação para serem mal-educados. Como todo cuidado é pouco, segurei-me bem e sentei logo.
 
Fiquei observando o jeito do motorista e não pude deixar de pensar que é evidente que aquela pessoa está insatisfeita com sua vida, que não gosta do que faz. Ele, como milhares de outros, é um produto da nossa organização social, política e econômica.

As dificuldades no decorrer da vida nos levam a abandonar os nossos sonhos de realização através do trabalho. Somos criados com a mentalidade de que temos que trabalhar em qualquer coisa para garantir nosso sustento e nossa aposentadoria.

- O que você vai ser quando crescer? - bombardeamos as crianças com essa pergunta e depois não lhes damos a perspectiva de realização.

- Você precisa estudar para melhorar de vida - é outra ilusão comum que se coloca na cabeça das crianças, uma meia-verdade pois o sistema escolar não está estruturado para isso. Se estivesse não teríamos quase setenta por cento de analfabetos funcionais. E por aí vai.

São balconistas, médicos, professores, motoristas... que não gostam do que fazem, que fazem malfeito seu trabalho e que pelo qual estão ganhando. Pouco? Nessas circunstâncias é muito! Prejudicam aos outros, sim, mas principalmente, a si mesmos pois a irritação, a falta de paciência, o viver contrariado e de mau humor são as fontes de inúmeras doenças.

- Se todo mundo só fizesse o que gosta, ninguém ia querer ser lixeiro! - poderiam argumentar... É verdade.

Por que não por os presos para trabalhar? Por que não colocar o jovem para estagiar nesse trabalho? Com certeza eles dariam mais valor aos estudos e buscariam o caminho da honestidade.

Em suma é preciso repensar nossos valores e o que nossa sociedade está fazendo com seus cidadãos e depois mudar!


Nota do Editor: Mariza Taguada, professora de profissão e artista de coração, é paulistana e moradora de Ubatuba (SP) desde os velhos tempos.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
20/08/2019 - 05h05 Até quando o horror contra a mulher?
19/08/2019 - 06h27 Engenho da marvada
18/08/2019 - 07h42 Vício arretado
18/08/2019 - 07h38 Contra pesos, contra medidas e poucas saídas!
16/08/2019 - 07h33 Flor de plástico
15/08/2019 - 07h51 Um sacrifício que não vale a pena
ÚLTIMAS DA COLUNA "MARIZA TAGUADA"Índice da coluna "Mariza Taguada"
24/04/2011 - 12h00 A Páscoa e a esperança
01/02/2011 - 15h01 Cem por cento ‘poliéster’!
07/12/2010 - 12h01 ‘Os irmãozinhos’
04/07/2010 - 10h00 Em tempo: Festa de São Pedro
19/06/2010 - 08h33 O justo valor
13/05/2010 - 13h13 Um lindo filme
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.