16/12/2019  08h23
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Rui Grilo
24/11/2012 - 08h00
Por que Esmeralda?
 
 

Quando começamos a discutir o Encontro COSTURANDO A REDE, que acontecerá dia 03/12 no Centro do Professorado de Ubatuba, logo pensei na Esmeralda. Por quê?

Primeiro, porque em seu relato ela estabelece a relação entre o consumo de drogas e a violência familiar. No seu livro ESMERALDA - PORQUE NÃO DANCEI ela afirma que não foi a pobreza que a levou a viver na rua e a consumir drogas mas a violência insuportável no interior de sua própria família.

Segundo, porque ela enfatiza a importância do ato de escrever como um elemento importante para o seu processo de reconstrução e de afastamento das drogas. Acompanhando o seu texto vamos percebendo a dificuldade de começar um texto, o medo de se expor, a necessidade de relembrar e ordenar os fatos e, ao ordenar palavra por palavra, uma após a outra, ir percebendo as relações de causa e efeito, o que dificultava seu bem viver e as oportunidades que surgiam e que dependiam de sua opção para aproveitá-las. Nesse exercício vai relembrando as pessoas que a impediam de viver a vida como possibilidade positiva para percebê-la como tragédia. Também vai lembrando daquelas que, mesmo chutando seu traseiro, empurravam-na para a frente.

O seu texto vai nos mostrando o valor da redação como um importante instrumento para a percepção de si, do outro e do mundo. E como a construção desse conhecimento lhe dá forças e novas perspectivas de vida.

Ao relembrar das pessoas e das mais diferentes instituições vamos percebendo a importância da amizade, dos laços afetivos e o papel da arte na construção do conhecimento e da personalidade.

Portanto, leva-nos a perceber o importante papel da escola e dos educadores no sentido de ajudar o adolescente a refletir e sistematizar suas experiências, dificuldades e possibilidades.

No trabalho com o adolescente, cada instituição pode não dar conta da dificuldade assim como a linha pode não suportar o peso do peixe. É o nó entre as linhas que constrói a rede e que permite reter peixes maiores e em maior quantidade. Às vezes ela é arrebentada pelo peso e o pescador perde muitos peixes. É necessário fechar os buracos. Assim, no trabalho com o adolescente é preciso formarmos uma rede onde todos se conheçam e se reconheçam percebendo os recursos com os quais poderão contar, eliminando os “ buracos”, garantindo um melhor atendimento.


Nota do Editor: Rui Alves Grilo é professor da rede pública de ensino desde 1971. Assessor e militante de Educação Popular.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
16/12/2019 - 06h36 A economia, o povo e a ideologia
16/12/2019 - 06h32 A economia capitalista
15/12/2019 - 06h26 O que podemos esperar de 2020
15/12/2019 - 06h22 Fazer o bem sem se importar a quem
14/12/2019 - 08h18 Leonardo da Vinci, o maior gênio
14/12/2019 - 08h09 Transformação analítica 2020
ÚLTIMAS DA COLUNA "RUI GRILO"Índice da coluna "Rui Grilo"
23/11/2017 - 06h27 Projeto de vigilância comunitária no Perequê-Açu
24/10/2017 - 06h21 Chega de cocô na praia
17/10/2017 - 07h18 Ninguém do Ipiranguinha
28/09/2017 - 06h48 Perequê-Açu, em Ubatuba, pode virar Massaguassu
18/09/2017 - 07h19 Semar constrói ilhas de calor no centro de Ubatuba
10/01/2017 - 08h04 Quando o dia chegar
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.