16/12/2019  07h36
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Rui Grilo
13/03/2013 - 07h28
Maria, Maria
 
 

“Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida...“

A tarde bonita e ensolarada deve ter contribuído para que só nós dois tivéssemos comparecido a reunião. Estávamos indo embora quando o celular tocou e apareceu a mensagem: “Estou muito mal e não pude comparecer.” Meu amigo me explica que o filho dela está preso e que a juíza havia negado o pedido de benefício.

Como ela mora perto, ele pensa em ir visitá-la e me disponho a acompanhá-lo. Depois, fica indeciso se deve ou não ir. Argumento que para uma pessoa abatida, em depressão, é pior ficar sozinho.

Ela nos recebe com muita alegria, mas quando o abraça, cai em prantos. Depois se recompõe. Diz que voltou cansada e triste da penitenciária, mas de noite foi pior devido ao tiroteio entre quadrilhas disputando o ponto e a polícia na luta contra o tráfico no bairro. Quando as balas de borracha cessaram, na rua estava um adolescente todo ensangüentado de apanhar e a vizinhança precisou lavar o sangue no asfalto.

Pergunto para ela se é verdade que a revista é mesmo vexatória. Ela já é avó, de cabelos grisalhos e me diz que não é tão vexatório como em muitas prisões porque a revista é individual. Mas tem que ficar nua, agachar-se e levantar as pernas para examinarem a vagina e o ânus, abrir boca e soltar cabelo.

Diz que vai todo final de semana e que ainda agradece por ele estar preso, pois está vivo. Talvez estivesse morto se não estivesse na cadeia. Em sua fala fica marcada a frase: “O que dói é ver tantas crianças que cresceram próximas da gente morrerem tão cedo, trabalhando de aviãozinho.”

Conta que antes todos respeitavam a frente da casa dela, mas que hoje, às vezes não agüenta o cheiro forte da droga. Um dia saiu e perguntou por que eles faziam isso, se não tinham um objetivo na vida. Um deles respondeu: “que objetivo eu vou ter se o meu pai e minha mãe estão na cadeia. Vendo droga para juntar dinheiro para tirar meus irmãos daqui. Mas o que eu queria mesmo era estudar e ter um emprego.”

Conversamos muito, demos risada e aprendi muito. Foi uma tarde bastante proveitosa. Dá ânimo saber que há pessoas que mesmo na maior tristeza e atribulações, ainda tem um olhar para o outro e para a frente.


Nota do Editor: Rui Alves Grilo é professor da rede pública de ensino desde 1971. Assessor e militante de Educação Popular.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
16/12/2019 - 06h34 Harmonia política em pleno andamento
15/12/2019 - 06h24 Ah, o arrependimento...
13/12/2019 - 06h44 Das histórias do meu lugar
12/12/2019 - 06h55 Ainda na batida da alfaia
11/12/2019 - 05h07 Apreciando a imensidão do mar
10/12/2019 - 06h43 Amigo não é para ser oculto
ÚLTIMAS DA COLUNA "RUI GRILO"Índice da coluna "Rui Grilo"
23/11/2017 - 06h27 Projeto de vigilância comunitária no Perequê-Açu
24/10/2017 - 06h21 Chega de cocô na praia
17/10/2017 - 07h18 Ninguém do Ipiranguinha
28/09/2017 - 06h48 Perequê-Açu, em Ubatuba, pode virar Massaguassu
18/09/2017 - 07h19 Semar constrói ilhas de calor no centro de Ubatuba
10/01/2017 - 08h04 Quando o dia chegar
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.